SR031017b

Certificação orgânica do algodão representa avanços na agregação de valor à produção de três microrregiões da Paraíba

SR031017bConseguir produzir algodão desde a queda da cotonicultura algodoeira nos anos 1980, vitimada pela praga do bicudo, mesmo com uso exacerbado de venenos, era uma missão impossível em todo o semiárido até que teve tabu quebrado a partir do processo de experimentação das novas práticas de produção com pesquisas participativas entre entidades de pesquisa, sociais e famílias agricultoras com práticas de produção sem uso de venenos numa dinâmica em agroecologia.

Uma nova forma de agregação apresentada pela agricultura familiar em sintonia com o Núcleo de Agroecologia da Embrapa Algodão e entidades da agricultura familiar é a produção sustentável do algodão com o processo de certificação feita pelas próprias famílias através da Rede Borborema de Agroecologia.

O processo de certificação da produção agroecológica já está em pleno funcionamento junto as famílias agricultoras do Assentamento Margarida Maria Alves, em Juarez Távora, no Agreste; Assentamento Zé Marcolino, no município de Prata, Cariri Ocidental; e Assentamento Queimadas, município de Remígio, no Curimataú.

Programa Domingo Rural e Programa Esperança no Campo deste final de semana vem evidenciando as novidades na produção agroecológica do algodão a partir de diálogo com o agricultor familiar Rizeldo Alves do Nascimento, Aluísio Rodrigues dos Santos; com o agricultor e presidente Associação dos Agricultores daquele assentamento e da Rede Borborema de Agroecologia, Luiz Rodrigues da Silva; e com o pesquisador da Embrapa Algodão Marenilson Batista da Silva que trazem informações amplas e gerais sobre a atualidade das ações na agroecologia da cotonicultura no semiárido paraibano.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Faça um comentário

Todos os campos obrigatórios são marcados como (requerida). Seu Endereço de e-mail não será publicado

Voltar para o topo