Armazenamento de forragens a partir de estruturas hídricas e Fundos Solidários de Animais são mostrados em Dia de Campo

Armazenamento de ração, beneficiamento de frutas nativas da região com ênfase no umbu e aquisição de animais caprinos e ovinos num sistema de fundos rotativos solidários foram mostrados em Dia de Campo que aconteceu na última sexta-feira(05/08), na Comunidade Lajedo do Timbaúba, município de Soledade, Cariri Oriental paraibano.

As ações são fruto de um trabalho que vem sendo desenvolvido desde 1999 quando entidades da ASA Paraíba, Articulação no Semiárido Paraibano referenciada nas ações do PATAC, Programa de Aplicação de Tecnologia Apropriada as Comunidades e que hoje atua em parceria com as entidades do Coletivo Regional do Cariri, Seridó e Curimataú e atualmente conta com ações de entidades diversas a exemplo do Projeto Dom Helder Camara e Vínculos que vem desenvolvendo importante trabalho com ações estruturadoras em propriedades rurais daquele e outros municípios da região. “É o seguinte: eu respeito muito uma organização que o Patac criou na forma deles trabalhar, fazendo os trabalhadores despertarem para a verdade, que o Patac iniciou os trabalhos aqui nessa comunidade com muita responsabilidade, muitos técnicos compatíveis que eu conheço neles, fizeram muitos trabalhos aqui com início nessa comunidade com trajetória em que nós comecemos com barragens subterrâneas, poços amazonas, cisternas de placas que foram a fonte de entrada na comunidade, isso em 1999 e daí pra frente nós saímos continuando trabalhando juntos e dizendo uma coisa: que as ações que venham pra dentro dessa comunidade vem através de um fundo rotativo que hoje já temos fortalecido na associação”, explica o presidente da Associação dos Agricultores da Comunidade Lajedo de Timbaúba, Inácio Tota Marinho, aproveitando para dizer que são práticas solidárias que têm feito a diferença quando comparadas com diversas políticas de governos locais. “Hoje eu não admito mais como agricultor a gente vê tanta história bonita de governo com recursos muito mal aplicados, porque as vezes é selecionado aquelas famílias que não mereciam receber, que está sendo selecionado e recebe contra aquele pequeno humilde que mora naquela comunidade e não tem acesso”, comenta Tota ao se referir ao trabalho desenvolvido dentro de uma ampla discussão com decisão tomada sempre com a participação da sociedade.

José Denis Cavalcante de Oliveira é assessor técnico da cooperativa Vínculos que vem fazendo um trabalho continuado naquele território desde 2005 e disse que a aquisição dos animais se deu com recursos com Projeto Dom Helder Camara com processo de gestão que se faz a partir das ações da associação dos agricultores dentro da lógica da própria organização social e garantiu que muito tem sido feito e diz acreditar que muito ainda tem a ser feito no processo estruturante das unidades produtivas daquela comunidade. “Sem dúvida, a gente precisa melhorar ainda mais, porque a gente sabe que sempre a gente faz alguma coisa, mas é preciso fazer mais e sozinho é impossível, a gente precisa lembrar que o Patac é um parceiro importante, a gente lembra que o Dom Helder não trabalha sozinho e é preciso que a Vínculos busque as parcerias á nível territorial, é preciso fortalecer ainda mais o fórum que é uma organização territorial e que é quem nos referenda, eu acho que isso tudo é que culmina o desenvolvimento de uma região e de um povo e, sem dúvidas, como peça principal o agricultor e a agricultora familiar”.

O governo do estado participou do evento através da SEDAP, Secretaria do Desenvolvimento da Agropecuária e Pesca da Paraíba, representada pelo chefe da pasta, Marenilson Batista da Silva, que dialogou com Stúdio Rural falando que o governo se constitui num parceiro de primeira hora e que ele, na condição de pesquisador da Embrapa e como ex-delegado federal do desenvolvimento agrário do MDA, também faz parte deste conjunto de lutas e ações desenvolvidas e a desenvolver. “Gostaria de parabenizar desde já a comunidade que acreditou que era possível viver esse momento que estamos vivendo hoje, um dia especial, um dia de campo onde a gente vê forragem, a gente vê o beneficiamento de frutas, onde a gente vê os fundos rotativos, especialmente o de caprino funcionando bem, as máquinas de forragem, ou seja, tem todo um processo que foi construído de muito tempo e que realmente está mostrando o trabalho hoje com a presença da Emepa hoje aqui com as palmas resistentes a Cochonilha do Carmim, ou seja, é o governo do estado acreditando que a construção de uma Paraíba melhor passa exatamente por todas essas experiências já construídas de muitos anos por parte dos agricultores e agricultores e aqui em Soledade, em Lajedo de Timbaúba, é exemplo de pessoas que acreditaram que é possível conviver e viver bem no semiárido”, explica Batista em entrevista ao Stúdio Rural.

Ele informou que diversas tecnologias estão sendo proporcionadas por aquela secretaria buscando a melhoria das condições de vida das famílias através de políticas sintonizadas com o governo federal e entidades locais. “O Governo do Estado entra exatamente potencializando as experiências já vividas, ou seja, o sorgo está provado que é resistente, o milheto também, a questão da melancia de cavalo, da gliricídea, ou seja, outras forrageiras que podem ser utilizadas para a alimentação animal e nós queremos exatamente trazer esse leque de diversidades a exemplo do que fizemos com a palma e diversas culturas”.

Fonte : Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top