Com ações descentralizadas Queimadas realiza festa de reis edição 2013 durante três dias

A cidade de Queimadas realizou sua tradicional Festa de Reis durante os dias 04, 05 e 06 de janeiro(sexta-feira, sábado e domingo) com ampla diversidade de cultural a exemplo espaços diversos destinados aos segmentos culturais e religiosos da cidade, parques de diversões, espaços para shows, peças teatrais, palcos destinados a comunidade católica, comunidade evangélica dentre outras que fizeram verdadeiros grandes shows musicais dentre outros.

José Marciano Monteiro é coordenador de cultura junto a prefeitura e, ao dialogar com nossa equipe, fez um balanço dos resultados alcançados e garante que a Festa de reis é uma festas de santos e deve ser espaço de reflexão de todo o período natalino, réveillon até o dia 05 de janeiro quando se trabalha as festividades dos santos reis. “Quero dizer quer a avaliação é a melhor das possíveis, até porque nós tivemos bem pouco tempo para elaborar o projeto dessa festa. Quando o prefeito Jacó Maciel falava da sua ansiedade e ao mesmo tempo da sua vontade de fazer uma festa em que diversos grupos, diversos segmentos da sociedade estivessem incluídos nós tínhamos uma responsabilidade muito grande porque não queríamos dar a festa tão somente um caráter de festa que tenha as grandes bandas que nós todos bem conhecemos, mas sim uma preocupação com a cultura e acima de tudo com o resgate com o sentido religioso ou dos múltiplos sentidos que a festa de reis traz a partir das diferentes manifestações religiosas de nosso país”, explica aquele coordenador ao dialogar com os ouvintes do Programa Universo Rural e Domingo Rural.

Marciano falou sobre as ocorrências registradas na edição no ano passado um grau de violência que marcou o município em igualdade com diversos outros municípios que registram índices alarmantes e assustadores e garante que tudo só aconteceu porque a festa foi planejada como instrumento de consumo de produtos e espaços musicais pouco sugestivo para a construção de um ambiente festivo numa perspectiva para uma cultura de paz e disse que a construção da edição 2013 representou um grande desafio para a administração trabalhar junto a população de Queimadas e municípios vizinhos. “Por isso e que costumo dizer que a festa se tornou pra nós um verdadeiro desafio porque sabíamos que iríamos enfrentar uma festa que tem já no imaginário popular a violência como uma marca. Então como fazer desse espaço da festa de reis não mais um espaço em que as pessoas tenham uma insegurança, mas sim um espaço em que as pessoas tenham uma segurança e seja um espaço de luz”, explica aquela autoridade se reportando aos diversos acontecimentos negativos a vida e a cultura da cidade Queimadas durante a administração passada.

Jacó Maciel é prefeito daquela cidade e, ao dialogar com os ouvintes da Rádio Serrana de Araruna AM 590 kHz e Rádio Bonsucesso de Pombal AM 1160 kHz, disse que o sentimento de espiritualidade festiva fez a diferença, lembrando que toda a equipe trabalhou com a convicção de que a festa representa uma lembrança forte da vida de Cristo. “Após a eleição, cerca de trinta dias depois, sentamos para planejar a festa porque em três ou quatro dias seria impossível fazer a festa e tivemos dificuldades porque não houve respeito a opinião do povo e infelizmente a gestão passada não quis aceitar a derrota apresentando um processo na justiça tentando trazer o povo dizendo que eu não ia ser diplomado, que não seria empossado e tudo isso dificuldade, até porque as estruturas físicas e artísticas pra fazer a festa até então tinha essa dúvida, porque foi noticiado na imprensa de campina e da Paraíba e prejudicou de certa forma, mas por outro lado com muita fé em Deus ele mostrou e começou conosco numa festa que em tão pouco tempo e tantas dificuldades, mas o que estamos ouvindo de todos que aqui vieram é que sentiram ser aqui uma festa”, explica aquele prefeito em parte de seu diálogo com nosso público ouvinte garantindo que pelo espaço tempo proporcionado, no próximo ano a festa será ainda melhor e com amplo valor cultural agregado.

Jacó disse que o mais importante para a cidade é fazer o resgate do município diante do público paraibano e brasileiro, mostrando que os queimadenses são um povo manso e que a partir de então as ações serão no sentido de trabalhar um processo onde a educação e a cultura seja trabalhada na construção e perspectivas da paz. “Eu quero dizer a todos que estão nos ouvindo agora que Queimadas tem um povo bom, tem um povo pacato, tem um povo manso, tem um povo ordeiro, infelizmente a cidade ficou manchada por não planejamento da administração(antiga) onde na festa houve garrafas, pessoas entrando aramadas e aí pessoas morreram aqui, tivemos vidas aqui ceifadas por conta da mal organização e não houve planejamento”, comenta Maciel explicando em detalhe sobre toda a estratégia e trabalho desenvolvido para garantir segurança a todos os participantes dos três dias de eventos.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top