Criação de galinha caipira é tema de dia de campo em unidade produtiva de Queimadas

A criação de galinha caipira foi colocado como opção de renda para os agricultores familiares na região semiárida do município de Queimadas a partir de experiências práticas desenvolvidas por criadores naquele município do Agreste paraibano e evidenciadas em um dia de campo promovido pela Emater Regional Campina Grande através do escritório local.

O dia de campo aconteceu na última terça-feira(18/12), na unidade produtiva do agricultor Alberto Santana(Betinho), no sítio Guritiba de Queimadas e contou com agricultores familiares de diversas localidades daquele município. “Fui aprendendo com o tempo, primeiro vi um vizinho criando frango, e través disso aí eu fui procurar saber como é que se criava, pra começar um negócio certinho, então comecei a criar galinha, foi dando certo e aí acho que com um ano que eu estava criando é que o pessoal da Emater me indicou a associação de avicultores, quando eu cheguei na associação style=mso-spacerun: yes>  conheci o pessoal e o professor Assis do Sebrae que informou técnicas de como criar esse tipo de galinha”, explica Betinho ao dialogar com Stúdio Rural.

Antônio João da Silva, Antônio Tavares, é componente da Associação dos criadores de Galinha Caipira naquele município e informou que o município já é destaque nesse tipo de galinha e que já são 18 criadores organizados que criam cerca de 10 mil aves que abastecem mercados e programas sociais de governos naquela região. “Esse tipo de avicultura é a única produtiva no município porque é uma mercadoria barata, todo mundo pode comprar, você vender um carneiro por cerca de R$ 300 reais, um boi é R$ 1 mil ou 1,5 mil reais e frango desses fica por R$ 15 ou 18 reais”, explica acrescentando que é um sistema de produção mais acessível na relação custo benefício.

Fábio Ribeiro da Costa é assessor técnico da Emater, falou para os participantes sobre programas diversos do Governo federal que, trabalhados com os governos locais, vêm repercutindo na geração de trabalho e renda no meio rural paraibano. “A princípio nós passamos aqui as políticas públicas do governo federal e estadual voltadas para a agricultura familiar a exemplo da assistência técnicas da Emater, a Declaração de Aptidão ao Pronaf(DAP) que o agricultor deve ter para comprovar que ele é realmente um pronafiano para que sejam beneficiados com essas políticas públicas, falando em políticas públicas falamos sobre crédito rural em que o produtor deve provar deve comprovar através de um projeto que ele tenha na cabeça pra se tornar realidade no papel e na prática, falamos também do Garantia Safra que é o seguro que o governo atribui a perda acima de 50% da cultura plantada, falamos também do Programa do Leite onde o governo compra e subsidia o leite ao produtor visando melhorar a renda do produtor pequeno pecuarista, o programa de ração que o governo está aí na distribuição também do milho pela CONAB, silagem com a torta e o farelo pelo governo do estado, falamos do Programa Nacional de Alimentação Escolar o PNAE junto as escolas comprando a produção do agricultor e melhorando a merenda escolar dos alunos, também sobre o PAA, Programa de Aquisição de Alimentos também voltado ao pequeno produtor e enfim a importância dos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rurais em cada município pra também trabalhar em prol do pequeno agricultor familiar”.

Odalício Fonseca Aragão é também técnico da Emater e, ao dialogar com Stúdio Rural, informou que a Emater trabalhado com uma nova filosofia de ação junto ao agricultor familiar e diz que esses dias de campo são parte de uma programação pra levar informação e motivação para que os agricultores tenham informações mais detalhadas a respeito da importância do planejamento na busca de alcançar resultados favoráveis nas atividades cotidianas na agricultura familiar. “Estamos trabalhando a avicultura alternativa, temos também as políticas públicas que precisam ser informadas de uma forma mais direta ao agricultor e também a questão do armazenamento de forragem, e de plantas de forrageiras nativas e exóticas que são muito importantes para a alimentação dos nossos rebanhos que nesse momento sabemos que está críticos para nosso criador”.

Dando continuidade aos compromissos assumidos dentro do atual projeto de ATER, a unidade operativa de Massaranduba, no Agreste, realiza o ‘1° Dia de Campo de Práticas de Produção Agroecológicas de Convivência com o Semiárido’, evento que acontecerá na próxima quinta-feira(27/12)), às 08:00 horas na propriedade do Senhor Severino Félix dos Santos (Seu Tibiu), no Sítio Gameleira onde, segundo o extensionista da Emater Local, Rodolffo Travasso Barbosa, objetiva apresentar práticas de convivência com a seca e esclarecer aos agricultores familiares sobre Políticas Públicas de Desenvolvimento Rural Sustentável como Aquisição de milho pela CONAB, aquisição de ração pela EMPASA e aquisição de produtos da Agricultura Familiar através do Programa Nacional de Alimentação Escolar(PNAE e Programa de Aquisição de Alimentos(PAA).

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top