Entidades do Pólo Sindical realizam encontro da juventude camponesa da Borborema

As entidades sindicais e associações de agricultores e agricultoras do Pólo Sindical da Borborema realizam o encontro regional da juventude camponesa da Borborema em evento que aconteceu durante os dias 29 e 30 de maio no Day Camp Hotel Fazenda, no Sítio Lucas, município de Campina Grande e contou com jovens agricultores e agricultoras dos diversos municípios do Pólo.

style=mso-bidi-font-family: arial=>A jovem agricultora, Edilma da Silva Alves, residente na comunidade Capivara de Solânea, participou do encontro e disse que tem participado de diversos encontros e ações das entidades e que antes da participação nas atividades não tinha noção da existência dos trabalhos agroecológicos e que com a vivência permanente tem contribuído muito mais na atividade rural familiar. “Me transformei de uma pessoa que odiava a agricultura para a pessoa que ama e valoriza em todos os lugares que vai, essa sou eu hoje. Antes o que é que eu achava da agricultura, nada. Achava que agricultura era você nascer e viver naquilo e, ao final, nada. Hoje vejo a agricultura como uma forma de renda, de crescimento, de investimento, de valorização da vida, a agricultura hoje me aponta caminhos para a vida, principalmente porque trabalho com valorização dos meios agroecológicos”.

style=mso-bidi-font-family: arial=>Aline Belarmino é jovem agricultora no município de Remígio dentro das dinâmicas da agroecologia e é componente da direção do sindicato daquele município, ela participou do programa Universo Rural do dia 31 de maio e do Programa Domingo Rural do dia 09 de junho falando sobre a importância do encontro enquanto espaço de conscientização e capacitação da juventude que já tem seus pais acompanhados pelas entidades do Pólo Sindical assessoradas pela ONG AS-PTA, garantindo que essas ações têm criado maior espaço de harmonia entre os componentes familiares já que a convivência com a realidade semiárida, apresentada pelas entidades envolvem questões gerais para o bem estar social e econômica da família tais como qualidade da produção que tem a agroecologia como referência principal; segurança no campo integrada com o setor urbano; saúde que vai do acompanhamento dos órgãos municipais como agentes de saúde na família até a qualidade dos produtos alimentícios dentre outras ações que somam para o padrão e qualidade de vida. “Em 2010 foi o meu primeiro encontro com a juventude, foi o primeiro encontro e foi meu primeiro encontro também, eu fui convidada pelo sindicato e estava eu aqui como é o caso de muitos que estão aqui no primeiro encontro deles”.

style=mso-bidi-font-family: arial=>Maria Geselda Bezerra Lopes é componente do Pólo Sindical da Borborema e uma das coordenadoras do trabalho, garante que a idéia é reforçar a identidade dos jovens na região da Borborema onde Pólo tem um trabalho uma ação voltada para a agricultura familiar agroecológica e os jovens têm um papel fundamental na diversidade de culturas e cultivos e garante com a passagem do encontro as ações serão continuadas junto ás famílias nos diversos municípios componentes do Pólo. style=mso-spacerun: yes=> “Agora é fortalecer o processo de experimentação com e as experiências que já existe entre eles que é experimentar a participação na sua comunidade, fortalecer o processo de intercâmbios entre a juventude camponesa que é muito importante essa dinâmica do ensinar e aprender e também criar momentos municipal com reuniões municipais, eventos municipais, oficinas e enfim fortalecer o processo de formação da juventude camponesa.

style=mso-bidi-font-family: arial=>Ana Paula Cândido é diretora do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Queimadas e, ao participar de nossos programas radiofônicos, justificou ter sido um evento muito importante para todas e todas que fazem parte da Comissão de Juventude do Pólo Sindical da Borborema na perspectiva de uma construção na busca de manter a juventude no campo a partir das ações integradas da agricultura familiar. “A gente vem fazendo um trabalho muito forte, desde 2002 que a gente vem trabalhando a campanha das crianças, campanha de fortalecimento do jovem na agricultura familiar e desde então a gente já ficou com um olhar voltados para àquelas crianças que não é mais criança, que já são jovens, então a gente começou a perceber eu teria que ter um trabalho diferente com essa juventude e desde então a gente já começou a inserir jovens em outras comissões, já começamos a inserir jovens na condução da própria campanha e com esse trabalho que a gente vem fazendo, os jovens vêm se identificando cada vez mais, vem cada vez mais construindo a sua identidade como jovem rural e por isso que a gente conseguiu trazer essa quantidade de jovens pra esse evento hoje”.

style=mso-bidi-font-family: arial=>Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top