Famílias agricultoras de Queimadas multiplicarão técnicas produtivas de fenação e ensilagem

Após participar da reunião sobre as técnicas de produção de ração para o rebanho a partir do processo de construção de silos e fenação, os agricultores familiares e representações de associações de agricultores do município de Queimadas se comprometeram em ampliar o trabalho em suas unidades rurais produtivas e compartilharem com seus vizinhos as novas práticas e tecnologias trabalhadas no sindicato, numa ação da entidade sindical assessorada pela ONG AS-PTA.

O encontro aconteceu no último dia 14 de maio, na sede daquela entidade, objetivou discutir as técnicas de produção de ração para o rebanho a partir do feitio de silos e fenação de culturas nativas diversas e adaptadas e contou com a participação de agricultoras e agricultores experimentadores e do Stúdio Rural que conversou com diversas lideranças sobre as alternativas a serem desenvolvidas em diversas unidades rurais através de capacitações e dias de campos no processo da aplicação prática para o armazenamento de ração junto as famílias em comunidades de diversos recantos do município.

O Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Queimadas tem assumido papel de promover novas ações para o desenvolvimento da agropecuária familiar no município. A opinião é da agricultora Luzia Tavares da Silva Miranda residente no Sítio Catolé dizendo que não conhecia o processo da fenação que é tida como uma mistura de plantas ceifadas e secas, usada como forragem para o gado, mediante a desidratação que retira a o excesso de água, mantendo o valor nutritivo e permitindo sua armazenagem por muito tempo sem se estragar. “Eu avalio como muito importante porque eu mesma não conhecia o feno nem a máquina do feno, e quando ele falou que a gente pode pegar aquela forragem, aquele mato que está lá no roçado da gente e pode guardar para o animal comer, pra nós não passar o que nós passamos esse ano eu acho importante demais, eu amei, gostei e já começar a guardar o mato que vou limpar. Quando ele diz que esse feno é importante, não só a máquina da silagem, mas a forma de fazer o feno eu achei importante porque esse ano a gente pegou restos que não prestavam prá nada e o gado teve que comer”, explica a agricultora Luzia Tavares da Silva Miranda”, explica Luzia.

A mesma opinião é do agricultor Lourival Nunes Medeiros, residente no Sítio Pinhões. Ele garante que até então não conhecia o processo de fenação e pouco conhece sobre o processo da silagem no processo de guardar através dos silos e que vai organizar um trabalho de fenação das forrageiras com a realização de um dia de prática assessorada pelo sindicato dos trabalhadores aqui de Queimadas. “Foi muito bom, inclusive daqui a 60 dias nós vamos fazer o feno lá nos Pinhões, porque o capim vai estar bom, vou cortar, vai secar e nós vamos levar um mutirão pra lá pra gente fazer, pra mostrar à comunidade como é que vai ser”.

Já a agricultora Márcia Patrícia residente na comunidade Lutador diz que começando um trabalho de compartilhamento de tecnicas e tecnologias juntos as famílias agricultoras através de suas associações será possível fortalecer a agricultura e pecuária do município de Queimadas, fazendo com que em anos futuros que tenha seca os agricultores possam passar pela fase sem tanto sofrimento como aconteceu no ano de 2012 com o acontecimento da maior seca dos últimos 30 anos. “É muito importante porque através dessa conscientização que a gente com os agricultores é que vemos a importância do armazenamento de silagem da forrageira como é que se faz, também do silo que a gente já fazia, mas não tinha tanto visibilidade da importância, porque hoje está muito diferente e um criador que tem a silagem está em situação do que não tenha”.

Para o agricultor Cleber Freire Tavares da Silva, residente no sítio Torrões, diante da crise climática que a região vem enfrentando o sindicato está encontrando o momento certo para desenvolver o trabalho com as práticas preventivas de convivência com o semiárido. “Hoje foi um grande encontro para o nosso município aqui em Queimadas porque no ano passado tivemos o desprazer em relação a agricultura e a criação bovina porque nós tivemos o gado morrendo com a seca que estava constante, mas também o problema não foi só do inverno, mas dos agricultores não terem se prevenido antes, então hoje deixou bem claro para os agricultores terem mais confiança e façam suas ensilagem para que possam não sofrer o que sofreram no ano passado”.

Ailton Pereira de Macedo, reside na comunidade Bodopitá, participou do encontro e disse que o trabalho que o sindicato está fazendo representa muito para a cultura da sustentabilidade do município de Queimadas e garante que as capacitações darão condições para que as famílias empreendam mais nas práticas tecnológicas preventivas de convivência com o semiárido município e ao mesmo tempo terão mais clareza para cobrar ações e políticas públicas dos governos locais. “Precisa também do apoio da prefeitura porque a gente ver lá no sul os prefeitos e governantes sempre dando apoio ao pequeno agricultor e aqui a gente não tem, o apoio da prefeitura aqui é muito pouco”.

O feno é uma mistura de plantas colhidas e secas, usada como forragem para o gado, mediante a desidratação que retira a água, mas mantendo o valor nutritivo e permitindo sua armazenagem por muito tempo sem se estragar.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top