Representações cutistas discutem segurança com secretário da pasta na capital paraibana

Na próxima quinta-feira(19/04), representantes da Central Única dos Trabalhadores e entidades cutistas paraibanas terão uma audiência com o secretário de Segurança Pública do Estado, Cláudio Coelho Lima, para solicitar ações de combate a violência no setor urbano e no meio rural paraibanos.

O anúncio foi feito pelo presidente da Central Única dos Trabalhadores, Luiz Silva, durante a posse da nova direção do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Barra de São Miguel. “Nós solicitamos uma audiência que o secretário já confirmou para as 9 horas do dia 19 e nós vamos apresentar colocar um documento e apresentar à ele a questão da segurança pública, mas observando que na questão que mais de 90%, segundo dados, na questão da droga o Crack já está chegando em 90% das cidades porque é uma droga muito danosa que atinge a população tanto na saúde da pessoa com problemas familiares, mas também na sociedade, vamos apresentar também os problemas com os assaltos a bancos com as explosões dos caixas eletrônicos e tantas outras questões que acontecem diante dessa violência muito grande, vamos também apresentar a ele um processo que venha buscar soluções conjuntas da questão da violência do meio rural com os roubos de motos, animais, assaltos e arrombamentos nas casas e aos aposentados que vem preocupando e até criando insegurança nos trabalhadores ao tentar viver no meio rural, então nós precisamos de buscar medidas e as medidas policiais que o governo tem tomado, de certa forma, são de opressão, é pegar todas as motos dos trabalhadores e trabalhadoras e prender, enquanto que nós não temos uma solução para que a maioria das motos que são emplacadas de outros estados nem sequer o DETRAN tem estrutura pra fazer a vistoria quando a gente quer regularizar”, exemplifica a liderança ao dialogar com os ouvintes dos programas de Stúdio Rural via emissoras parceiras.

Ao dialogar com Stúdio Rural, o componente da Central Única dos Trabalhadores e presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Barra de Santana, Paulo Medeiros Barreto, disse que as representações dos trabalhadores e rurais e da agricultura familiar vão está representando neste encontro já que os sindicatos de trabalhadores rurais convivem de forma direta com a problemática no meio rural onde a agricultura familiar vem abandonando o meio produtivo já que gerar renda e economia passa a colocar a vida da família em risco já que a onda de roubos, arrombamentos, assaltos seguidos de agressões e mortes são uma triste realidade que está se intensificando no meio rural paraibano. “Nós que fazemos parte da CUT estamos indo nesta luta para discutir com o governo do Estado, com a secretaria de segurança porque nós não podemos mais viver nessa insegurança dentre da zona rural, nós estamos vendo nossos agricultores deixando o meio rural e indo morar na cidade e a gente não tem outra alternativa a não ser ir buscar a ajuda do Governo do Estado, segurança para o nosso campo e nosso trabalhador”, explica Medeiros Barreto sugerindo ser necessário aparelhar o policiamento e abrir ampllas discussões com as entidades que discutem as formas, tecnologias e práticas de convivência no meio rural paraibano.

Já a assessoria da CUT-PB informou que a entidades estará entregando um documento ao secretário cobrando ações eficazes em curto, médio e longo prazo a serem executadas para combater os crescentes índices de violência no Estado. “Segundo o secretário geral da CUT-PB, Paulo Marcelo, entre as áreas mais preocupantes estão as taxas crescentes de violência registradas na zona rural, nas escolas e contra os trabalhadores bancários e seus familiares”, explica a assessora da entidade, Carolina Barroca.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top