SEDAP recebe representantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra

O secretário de Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca, Marenilson Batista da Silva, se reuniu, n0 último 12/12, com representantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) discutindo pontos relacionados à infraestrutura dos assentamentos, Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), assim como educação no campo dentre outros.

Entrevistado no Programa Domingo Rural do domingo(16/12), Marenilson falou sobre os temas pautados e garante que ficou evidenciado a disposição que o governo tem para dialogar com os segmentos ligados a conquista da terra e busca das soluções tecnológicas de produção. “Nós tivemos a oportunidade de fazer um diálogo com o MST e Incra exatamente em cima de uma pauta já entregue em abril deste ano e nós mostramos que tudo que foi passado pra gente a gente está cumprindo de acordo com o andamento normal, desde a questão da assistência técnica, desde as discussões da energia solar, irrigação em unidades de assentamentos, a questão do algodão agroecológico, ou seja, estamos fazendo o nosso dever de casa e reafirmando o nosso compromisso de estar sempre aberto ao diálogo com os movimentos sociais”, explica Batista acrescentando que na reunião foi assegurado o diálogo constante do Governo do Estado com o Instituo Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) no que diz respeito à desapropriação de áreas com interesse social desde que não haja conflitos nas terras dentre outras.

Batista falou sobre o trabalho que será desenvolvido no próximo ano no processo de reoordenamento agrário do município de Lagoa Seca e Remígio. “Essa é outra ação que iremos começar agora em 2013, iremos regularizar os dois primeiros municípios no nosso estado, vai ser Remígio e Lagoa Seca onde a gente vai georeferenciar todas as propriedades e entregar o título de terra para as pessoas garantindo que elas possam se inserir em qualquer política pública, seja de crédito, seja no Garantia Safra porque vai ter um título da terra, isso vai ser um trabalho muito bacana que nós iremos fazer tanto em Remígio com também em Lagoa Seca”, explica Batista da Silva.

Ao dialogar com os ouvintes da Rádio Serrana de Araruna em conexão com a Rádio Bonsucesso de Pombal, Batista garantiu que o diálogo foi bastante satisfatório para as partes envolvidas nas discussões. “Veja o seguinte: existem algumas questões que precisam avançar, nós sabemos que nem tudo dar pra se resolver e essas questões que precisam avançar, principalmente que competem muito mais ao Incra que é questão da terra propriamente dita e com isso iremos continuar nesse diálogo, garantindo a exemplo do que nós fizemos com a questão dos tratores que contemplou várias áreas do MST, o que iremos fazer com o Tarifa Verde também discutindo com eles, a exemplo das áreas irrigadas com energia solar, da distribuição de palma, ou seja, são ações que são contínuas e esperamos ter esse processo de diálogo permanente fazendo que essas pessoas a cada dia produzir mais”.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Foto : Ascom/SEDAP

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top