SOS Sertão realiza Capacitação em Manejo Florestal para estudantes de agroecologia em Campina Grande

A SOS Sertão realizou durante a última quinta-feira e sexta-feira, dias 23 e 24 de maio, um curso de Capacitação em Manejo Florestal Comunitário para alunos do curso de Agroecologia da Escola Técnica Redentorista(ETER), em Campina Grande.

Durante todo o dia da quinta-feira estudantes e professores compartilharam informações vivenciadas pela SOS em diversas áreas de manejo já trabalhadas em diversos assentamentos da reforma agrária em microrregiões do Estado da Paraíba. “Estamos mais uma vez realizando um evento de capacitação técnica com os futuros técnicos que estarão com os agricultores daqui há alguns dias, essa é a preocupação da SOS, é preparar gente que possa trazer trabalho de qualidade, trabalho de assistência técnica de qualidade aos agricultores, mesmo sendo de outras áreas a exemplo do pessoal de agroecologia, mas está dentro da propriedade tendo alem das técnicas agroecológicas, também o manejo pra mais uma alternativa de rendas e sustentabilidade na área onde a gente vem, graças ao apoio da TFCA, podendo promover um número maior de capacitações já a esse nível, além de estar realizando educação ambiental em ensino fundamental, ensino médio prá ter essa preocupação maior de divulgação maior do manejo como uma atividade que pode ser rentável e sustentável na caatinga”, explica o engenheiro florestal componente da SOS e coordenador da capacitação, Felipe Carlos Pereira de Almeida, ao dialogar com os ouvintes do Programa Universo Rural da última sexta-feira(24/05) e Programa Domingo Rural deste domingo(26/05).

Felipe explicou que o curso compreende uma atividade do projeto Consolidação do Manejo Florestal Comunitário em Projetos de Assentamentos Rurais Localizados na Caatinga do Estado da Paraíba que conta com o apoio do TFCA, Tropical Forest Conservation ACT, e visa a capacitação e aperfeiçoamento dos profissionais que lidam ou lidarão com o homem do campo para que possam orientá-los quanto ao Manejo Florestal e, ao dialogar com nossos ouvintes falou sobre o que foi repassado no primeiro dia de evento. “A gente primeiro dar aquele choque de realidade do que é o manejo florestal, porque quando a gente fala de manejo na caatinga o pessoal não acredita, o pessoal pensa que manejo só acontece na Amazônia, no Pará, ou seja, na região sul e pensa que manejo é uma coisa ligada ao eucalipto apenas, então fazemos perceber que é possível fazer manejo na caatinga com espécies nativas sem a realização de plantio que é uma coisa que o pessoal estranha, ou seja, como vai se produzir sem plantar e na verdade o manejo florestal é utilizado com as culturas já existentes na caatinga, além disso outras técnicas, técnicas de corte, técnicas de preparo de solos ou regeneração, de como é que funciona o manejo florestal a partir da legislação do manejo florestal e os tipos de manejo florestal que podem ser aplicados na caatinga que é uma preocupação técnica para que os agroecólogos possam estar com a técnica na cabeça com a mentalidade de como pode funcionar o manejo florestal, em que área eu vou poder estar aplicando o manejo florestal e poder dar o apoio técnico ao manejo florestal em propriedades aqui da região”, explica Felipe durante parte de seu contato com nossos ouvintes 1180 kHz e 590 kHz.

Taciano Pessoa é professor daquele curso e, ao falar com nossa equipe, falou sobre a importância da capacitação ofertada pela ONG sertaneja. “Pra gente foi uma troca de experiência que vai ser muito importante porque eles vão ter mais conhecimento sobre a área que a gente até então não tinha abordado no nosso curso de agroecologia, porque por exemplo as nossas bases vão seguindo segundo uma seqüência e no próximo módulo é que a gente vai ter a seqüência de capacitar eles nessa parte mais florestal, então a gente estava dando uma base mais firme pra poder chegar a esse ponto”, explica dizendo que a capacitação só veio agregar valor ao conjunto das ações já desenvolvidas na turma.

Belízia Dantas Fernandes é estudante na turma e, ao dialogar com nossa equipe e nosso público ouvintes, falou sobre a importância dos conhecimentos repassados para a turma estudantil. “Quando ele começou explicar eu pensava totalmente diferente do que ele estava explicando, foi muito importante, pois a gente teve novas experiências e adquiriu mais conhecimento e é uma experiência que vamos levar daqui pra frente”, explica aquela estudante que, no dia seguinte, esteve participando juntamente com toda a turma do dia prático em campo no Assentamento Fazenda Malhada, município de Pocinhos.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Compartilhe se gostou

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top