Cooperativa agropecuária comemora e evidencia Dia Internacional do cooperativismo

No primeiro sábado de julho é comemorado, em todo o mundo, o Dia Internacional do Cooperativismo e, para agricultores pecuaristas associados à Coapecal, Cooperativa Agropecuária do Cariri a data é lembrada como uma referência de importância para quem vive de forma organizada superando desafios diante do processo de concorrência dos mercados, mas também diante dos desafios e limitações climáticas e a busca coletiva de trabalhar técnicas e tecnologias apropriadas ao processo de convivência com a realidade semiárida.

Laudemiro Lopes de Figueiredo Filho, Miro(foto) é presidente da Coapecal e, em entrevista a nossa equipe, fala sobre o sentido da data como referência de estímulo a organização e fala sobre inúmeras conquistas contabilizadas por centenas de pecuaristas cooperados que têm na cooperativa a melhor forma de produção, de inserção de seus produtos no mercado e de melhoria na qualidade de vida das famílias. “Esse dia 04 é muito significativo para as cooperativas onde a Aliança Cooperativa Internacional decretou o primeiro sábado de julho de cada ano e para o cooperativismo trata-se de um dia de se avaliar e divulgar os seus objetivos acerca dos serviços que prestam de acordo com os 13 ramos do cooperativismo e daí dar visibilidade aos serviços oferecidos à comunidade, ao cooperado e do cooperativismo acerca do trabalho que é desenvolvido, que serviço é oferecido nos seus diversos ramos para a comunidade a exemplo das cooperativas da agropecuária, cooperativas da educação, cooperativas prestadoras de serviços, cooperativas de créditos e então mostra que produto é oferecido à comunidade e qual o diferencial desse produto e o significado social desse produto que é um produto não só de uma única pessoa, mas um conjunto de pessoas que resolveram se unir para viabilizar seu produto de forma beneficiada no coletiva que faz o diferencial e é fruto de uma união”.

Para aquele diretor, diante da seca que se prolonga desde 2012, se não fosse o modele de organização, muitos pecuaristas poderiam ter saído da atividade bovina já que as consequências, somadas a doenças como a Cochonilha do Carmim que ataca a palma forrageira, encarecem e ou inviabilizam a atividade. “Temos o que comemorar juntos, só o fato de termos hoje uma marca reconhecida a nível de estado e na região, fato que só foi possível graças a cooperação que vem sempre no sentido de encontrar saídas para o sobreviver da coletividade, buscando sempre valorizar o cooperado e seus produtos, seu meio de vida e sua região”, explica Miro evidenciando um conjunto de atividades que serão trabalhadas no decorrer deste mês.

Já o diretor comercial daquela cooperativa, Antônio de Souza Duarte, Totonho, dialogou com nossa equipe falando sobre a data e sobre o conjunto das conquistas dos cooperados junto a instituição com resultados alcançados quando preenchidos requisitos na dinâmica de direitos e deveres do componente cooperativado. “Acho que temos o que comemorar neste dia Internacional do Cooperativismo porque trata-se de um trabalho dedicado ao longo de anos valorizando nosso produtor e nossa região, de forma que o produtor pôde sempre melhorar sua qualidade de vida e de produção, mesmo em momentos críticos de secas ou das limitações como o ataque da doença da cochonilha que, ao contrário de outros tempos, não foram capazes de impedir o desenvolvimento desses empreendedores nesta região”.

Ao dialogar com Stúdio Rural, Totonho explicou que, mesmo diante da seca e as diversas outras consequências, a Coapecal tem conseguido manter a oferta de leite e derivados, contribuindo na manutenção do equilíbrio do mercado de estados diversos do Nordeste. “Temos hoje uma infraestrutura junto aos nossos produtores de leite, veja que acerca de dois meses atrás ainda estava sobrando leite, ou seja, mesmo diante da seca e suas consequências estávamos com ampla oferta no mercado até com certa sobra de leite e isso gera um certo alívio pelo menos diante dessas adversidades de secas dentre outras.

Durante todo este mês, aquela cooperativa estará fazendo parte de um grupo de entidades cooperativadas com um trabalho filantrópico em favor de entidades assistenciais paraibanas: Instituto São Vicente de Paula, casa de acolhida para idosos  com atendimento de 73 pessoas; Casa da criança Dr. João Moura, entidade com creche destinada ao serviço assistencial junto a 174 crianças; Lar de Maria, entidade de acolhida de pessoas com necessidades especiais composta por 13 pessoas assistidas; Associação Promocional do Ancião Dr. João Meire de Menezes(Aspan), em João Pessoa e o Centro Residencial do Idoso com Casa de acolhida para idosos com atendimento de 80 pessoas. “Desenvolvemos esse trabalho porque um dos valores do cooperativismo é a solidariedade, então esse trabalho se inicia lá por Minas Gerais onde um conjunto de cooperativas criaram o Dia C como dia da cooperação, como espaço para demonstrar  e exercer o voluntariado, ou seja, os voluntários e colaboradores envolvidos estarão dedicados em um dia ao voluntariado”, relata Leudemiro Lopes.    
Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Compartilhe se gostou

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top