Encontro de inspetores revela que Brasil continua campeão em uso de venenos na agricultura

SR020817aO Brasil continua primeiro lugar mundial em uso de veneno na agricultura, prática que vem constantemente refletindo na saúde e na pouca qualidade de vida da população do campo e da cidade que obrigatoriamente são levadas a consumir produtos e no campo as famílias são condicionadas a ingestão desses produtos quando produzem a diversidade agrícola e quando consomem esses alimentos.

A revelação da realidade é parte das discussões colocadas durante o encontro de inspetores do CREA-PB, em Campina Grande, no último dia 28, no lançamento da Cartilha Receituário Agronômico na sede da instituição em Campina Grande. “O Brasil é o maior consumidor de produtos agrotóxicos do mundo e por muito tempo eles foram considerados extremamente relevantes para o modelo de desenvolvimento da agricultura no país”, revela a presidenta do CREA-PB, Giucélia Araújo de Figueiredo através do prefácio naquele manual de prescrição técnica colocado à disposição da categoria dos agrônomos e da sociedade em geral.

Durante parte nas discussões do encontro, Giucélia explicou a importância do profissional da agronomia na busca do equilíbrio através da conscientização ao longo da cadeia desde o local da venda, o campo da produção agrícola e ao consumidor que está na cidade e no campo. “Essa é mais uma ação do nosso CREA-PB em parceria com os profissionais da área agronômica que trabalham a perspectiva e ação de uma agricultura sustentável que gera a segurança alimentar e é com essa compreensão que o CREA Paraíba, juntamente com técnicos que discutem e formulam a temática do receituário agronômico e da segurança alimentar, é que nós editamos a cartilha do receituário agronômico como mais uma ferramenta no processo de valorização não só dos profissionais das áreas agronômicas, mas também como ferramenta de segurança alimentar já que sabemos que nosso país, nosso estado são grandes consumidores de agrotóxicos e nós temos essa preocupação. O CREA Paraíba não poderia ficar omisso nem ficar de braços cruzados vendo uma agricultura sendo contaminada sem trabalhar para coibir ou erradicar definitivamente o uso de agrotóxicos”, explica aquela liderança profissional militante da agronomia e diretora da instituição na Paraíba.

Em palestra ao público presente, o pesquisador da Embrapa Algodão Campina Grande, Raul Porfírio de Almeida, explicou a importância dos profissionais ligados a agricultura enquanto norteadores de práticas sustentáveis, mas colocou a preocupação com os interesses de mercado para acentuar o quantitativo do uso dos produtos venenosos na agricultura em quantidades que exorbitem a realidade e, neste sentido, justificou a importância da elaboração do receituário e igualmente a importância da intervenção dos segmentos da sociedade para a aplicação desses conceitos em campo. “O grande pulo do gato dessa cartilha está em transformar as informações receituárias no sentido de, passo a passo, fazer entendimento do que é receituário agronômico, é tirar aquela ideia de que o receituário deve ser aplicado apenas no momento da venda onde de forma equivocada o próprio técnico se esquece de avaliar as condições de campo e da necessidade do uso real do agrotóxico, então esse passo a passo traz informações que permitam ao agricultor ter noção do que está acontecendo no campo e da real necessidade do uso do agrotóxico, fazendo com que com isso a gente possa eliminar o uso do agrotóxico quando não é necessário, não simplesmente por entender que há algum problema, mas não se quantificar esse problema na agricultura ou na propriedade do advento”, explana Porfírio.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Compartilhe se gostou

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top