Festa da Colheita de Mogeiro evidencia tecnologias apropriadas á região

A primeira Festa da Colheita e a FEAGRO, Feira do style=mso-spacerun: yes>  Produtor realizada de 25 a 27 de setembro na cidade de Mogeiro evidencio tecnologias próprias para a região a exemplo da piscicultura, máquinas forrageiras Laboremos e máquinas para a descascamento do amendoim e uma máquina de distribuição da semente do gergelim na hora do plantio além de raças de animais e aves.

Para o secretário da agricultura daquele município, Severino da Silva, Bira, o evento já começou em alta já que envolveu trabalhos culturais e as tecnologias apropriadas àquela região. “Uma festa maravilhosa, está todo mundo de parabéns porque realmente é uma festa grande, bonita e é uma festa em que nós conseguimos unir o lado festivo junto com o negócio. Tem expositores, tem cabras, tem ovelhas, tem boi, mini boi, pônei, galinha, guiné, ganso, todo o pessoal também da tecnologia com implementos”.

A piscicultura foi outra cultura evidenciada a partir da instalação de pesque-pague, cursos, treinamentos, palestras e exposição do que é produzido pela Empasa, Empresa Paraibana de Abastecimento e Serviços Agrícolas, vinculada a Secretaria de Agricultura do Estado da Paraíba.

O engenheiro de pescas da Empasa, Celso Carlos Fernandes Duarte(foto), ao ser entrevistado por Stúdio Rural, disse que a região do Baixo Paraíba onde passa o Rio Paraíba que envolve o município de Mogeiro e Itabaiana tem forte potencial para a piscicultura e a carcinicultura, culturas que ofertam capacidade de ter lucros. “Aqui é como você está vendo, são várias espécies principalmente as que produzimos em Itaporanga, carpa comum que é um peixe asiático e dar muito bem aqui nos açudes da região da Paraíba, é um peixe que muito embrora não tenha um mercado compensador, mas ela tem uma contribuição muito forte com relação ao meio ambiente, ela purifica os açudes; além da carpa temos o tambaqui que é um peixe do amazonas que se adapta muito bem aqui na região, peixe de longo porte e é aproveitado em mananciais; a tilápia que merece um destaque, mesmo não sendo peixe nativo, mas é um peixe bastante rústico que dar uma gama de experiências e aproveitamento, porque hoje da tilápia não se perde praticamente nada”, justiça, falando das diversas formas de aproveitamento dos produtos.

A Embrapa apresentou uma máquina manual destinada ao descascamento do amendoim desenvolvida pela Embrapa Algodão com capacidade de beneficiamento para 150 quilos de amendoim por hora e uma máquina plantadeira de gergelim com capacidade de diminuir a quantidade de semente na hora do plantio em até 50% por hectare evitando o alto adensamento e, conseqüentemente, evitando custos com o desbaste da cultura. “É uma mistura de um cultivador com uma carroça e ele tem além da funcionalidade da boa distribuição de sementes ele não apresenta problemas com o transporte e o peso é pouco”, relata o técnico de transferência de tecnologias da área de comunicação e negócios da Embrapa Algodão, Dalfran Gonçalves Vale.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top