Matéria do MDA evidencia abatedouro paraibano de aves caipira como maior do Nordeste

SR220117e“É no semiárido paraibano, no município de São Sebastião de Lagoa de Roça, a 148 quilômetros de João Pessoa, que está o maior abatedouro de frango caipira do Nordeste”, esse é conteúdo inicial de matéria divulgada pela Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, do Governo Federal e trabalhada no Programa Esperança no Campo e Programa Domingo Rural neste final de semana, explicando que, conforme a publicação do MDA, a Cooperativa Paraibana de Avicultura e Agricultura Familiar (Copaf), responsável pelo empreendimento cooperativado, atendendo 422 agricultores familiares de 12 municípios com expressiva venda para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e para Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae). “Somente em 2016, a Copaf obteve R$ 991.880,53 de faturamento com o PAA e R$ 894.580,00 com o Pnae. De todo rendimento, 16% são recolhidos para despesas com congelamento e distribuição, sendo que 84% ficam para o produtor rural. A média da renda mensal de cada produtor é de R$ 2 mil”, informa.

“Para investir na atividade, 90% dos produtores financiaram créditos no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). O tamanho médio das propriedades é de três hectares e os avicultores criam os animais no estilo caipira, sem confinamento, sem adição de antibióticos ou promotores de crescimento na ração, além de aguardar um período mínimo de 91 dias para o abatimento.

No processo produtivo da Copaf, quem produz ovos não pode produzir frangos por questão de higiene e de criação diferenciada.  O preço do quilo do frango é de R$10,50 e da dúzia do ovo é de R$6,50, ambos os valores são definidos pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

De acordo com a presidente da cooperativa, Maria Nazaré Santos Barbosa, a produção aviária é a atividade ideal para promover a qualidade de vida da família rural. “A avicultura, para o pequeno agricultor, é um projeto altamente viável porque não é sazonal, consome pouca água e independe de muita mão de obra, pois os próprios filhos e esposa podem contribuir”, garante.

Sucesso coletivo

Hoje, o abatedouro possui três galpões e tem capacidade para abater mais de 20 mil aves por mês. São vendidos mensalmente entre 300 e 400 frangos por produtor, sendo que o fluxo da instalação industrial é de 5.200 aves por semana e de 4.800 ovos diários. Em cada galpão, o rendimento é de até um salário mínimo por integrante. Um sucesso que se deve à visão empreendedora e cooperativa dos primeiros agricultores.

Foi com a assistência técnica realizada pela Assessoria e Gestão em Estudos da Natureza, Desenvolvimento Humano e Agroecologia (Agendha), que a cooperativa se organizou e conheceu as compras institucionais. Dez agricultores fundaram uma associação de produção de aves, em meados de 2004, e começaram a vender para o PAA. Mas com a necessidade de crescimento e interesse no mercado privado o grupo criou, em 2008, a Copaf, como explica a presidente da cooperativa. “Por ser de tão alto custo, as grandes indústrias têm mais condições de comprar um abatedouro, mas nós nos juntamos e fizemos o projeto que se tornou a realização de muitos sonhos”, afirma Nazaré.

A cooperativa se consolidou a partir de uma parceria entre o Governo do Estado da Paraíba, por meio do Projeto Cooperar, e o Banco Mundial, que viabilizou a aquisição do abatedouro de frangos caipiras. A quantia destinada à construção da obra e compra dos equipamentos foi de R$ 730 mil”.

Fonte: MDA/Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Faça um comentário

Todos os campos obrigatórios são marcados como (requerida). Seu Endereço de e-mail não será publicado

Voltar para o topo