Representações paraibanas visitam experiência do umbu na região de Uauá-BA

SR180918bRepresentações de entidades ligadas a agricultura familiar da região e gestões municipais do Curimataú paraibano, lideradas pelo Sebrae-PB, regional Araruna, estão participando de um intercâmbio na região do Sertão da Bahia e Sertão de Pernambuco objetivando conhecer experiências da Cooperacuc, Cooperativa que engloba um trabalho de beneficiamento da cultura do umbu nos municípios baianos de Uauá, Canudos e Curaçá.

Stúdio Rural entrevistou a gerente do Sebrae regional Araruna, Heloísa Mirelli Diniz, falando sobre o objetivo do encontro na Bahia, sobre o trabalho que as entidades parceiras já vêm desenvolvendo no Estado da Paraíba, sobre as novidades de conhecimentos e tecnologias compartilhadas na região baiana e garante que, nesta quarta-feira(19), a equipe de 15 paraibanos e paraibanas estarão presentes num encontro na Embrapa Semiárido Petrolina, dentre outras entidades, e que, em seguida, voltam à Paraíba com a meta de compartilharem conhecimentos em todo o território paraibano. “Nós viemos aqui justamente pra captar essas ideias que são experiências de sucesso aqui no Estado da Bahia, no qual os produtores rurais aplicaram, beneficiaram a fruta e a gente veio aqui aprender um pouco com esse pessoal e pegar essas experiências exitosas para que a gente possa aplicar aí no nosso território”, explica aquela gerente ao dialogar com Stúdio Rural, no final da tarde desta terça-feira(18), diretamente de Uauá-BA.

Durante a entrevista, Mirelli detalhou as representações paraibanas que estão fazendo parte da comissão técnica citando gestores públicos da prefeitura de Barra de Santa Rosa, Arara, Nova Palmeira, Casserengue, Damião, Tacima, Picuí, Baraúna, Araruna e garante que todas as ações são no sentido de fazer com que a cultura do umbu passe a fazer parte da diversidade da agricultura familiar e que em 2019 as ações na Paraíba já possam estar melhor avançadas para que haja melhor aproveitamento da cultura que contabiliza majoritária perda nos campos de nosso semiárido. “A ideia surgiu da seguinte forma: já há algum tempo, nós temos diversos projetos através das entidades do território e identificamos o potencial na área de fruticultura na nossa região e através de um diagnóstico, feito pelo Sebrae, a gente viu que esse potencial existe e identificamos, inclusive, que o umbu se perdia muito no território. Então essa missão que nós estamos realizando visa essa preocupação com o pensamento de que nós precisamos ser sustentáveis e utilizar o nosso meio ambiente sempre ao nosso favor”, explica Mirelli em parte de ampla entrevista que será trabalhada no Programa Domingo Rural e Programa Esperança no Campo do final do próximo final de semana.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Compartilhe se gostou

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top