Seminário em Campina Grande discute produção, mercado e políticas públicas para o algodão agroecológico

Discutir a produção, o mercado e polícias públicas voltadas ao desenvolvimento da produção do algodão agroecológico na agricultura familiar paraibana foi o objetivo de um seminário que aconteceu na última sexta-feira(13/12) a partir da reunião de entidades diversas de governos, representações das entidades de agricultores, pesquisa, extensão em evento que aconteceu na sede do Insa, em Campina Grande.

“Historicamente a Paraíba teve no algodão bons momentos e nós acreditamos que esse momento que os estamos vivendo na produção de sistema de algodão agroecológico é mais um bom momento que nós estamos vivendo, por isso é que a Sedap está dentro através da Emater participando e construindo essas parcerias com as cooperativas, com as instituições, com as empresas e principalmente com os agricultores e agricultoras que estão na base porque nós entendemos que se tivermos além das culturas que garantam segurança alimentar e nutricional, tivermos as culturas de renda a exemplo do algodão e de forma sustentável de forma agroecológica nós iremos dar mais sustentabilidade às pessoas que vivem da agricultura”, argumenta o participante do evento e do Universo Rural e Domingo Rural, secretário do Desenvolvimento da Agropecuária e Pesca, Marenilson Batista.

Coordenadora da Coopnatural, a empresária Maysa Motta Gadelha falou sobre o objetivo do evento acontecido e disse ser uma ampla reunião de parceiros para firmar a oficialização de um programa denominado Brasil Próximo que se consolida com a empresa Coopnatural e garante ser também a retomada para a contonicultura orgância após os anos secos 2012 e 2013. “O nordestino é um bravo antes de tudo, e a Coopnatual como boa nordestina tem que resistir, então nós agora estamos fortalecidos com outros parceiros comerciais e agora a gente tem forças de novo pra chegar e falar: pode plantar que a gente compra. E agora também com essa estrutura governamental que está ao nosso lado Secretaria de Agricultura, Emater, Insa com as pesquisas, Parque Tecnológico com os projetos, a Cinep nos apoiando também, então nós agora estamos mais fortes pra poder dizer: podem plantar que a gente garante”, explica a empresária em entrevista a nossa equipe e em contato com nosso público ouvinte trazendo amplas informações na perspectiva de produção e produtividade agrícola para o ano próximo 2014.

Assessora técnica da Emater, a cooperativista Vitória Aparecida Pereira Victor participou do encontro e de nossos programas falando sobre o evento e sobre as perspectivas de produção agroecológica na 2014. “Temos essa preocupação e aí eu falo também como técnica trabalhando com as relações humanas que a gente precisa avançar mais no campo nessa discussão das pessoas também se fortalecerem no coletivo e dizer que nós sozinhos não somos nada, a gente juntos já não somos muita coisa, imagine isolada, a gente precisa se chegar mais perto”, explica dizendo que os eventos e atividades continuarão de acordo com as ideias e aspirações de parceiros e agricultores.

“Esse seminário é bastante interessante porque a Embrapa está tendo a oportunidade de uma vez contribuir com a formação dos núcleos de produção de algodão colorido orgânico agroecológico ou até o branco também, é uma iniciativa do Projeto Brasil Próximo que tem aqui como parceiro a Coopnatural, governo do estado, Embrapa, Emater que visa efetivamente trazer o algodão pra seu espaço real do Nordeste semiárido, nós acreditamos que a volta do algodão do Nordeste vai acontecer nestas bases, ou seja, o agricultor que planta, cuida, colhe com a mão de obra de casa. Então estamos felizes porque é uma oportunidade muito concreta que é de começando aqui de Campina Grande a gente possa construir aí um núcleo de produção de algodão juntamente com a CoopGrande que vai dar o star inicial, a gente espera que outras associações se irmanem nesse processo e que efetivamente o algodão possa voltar nessas bases para atender uma demanda de um produto extremamente interessante nosso que é o algodão colorido”, explica o coordenador de transferência de tecnologia da Embrapa Algodão, Valtemilton Cartaxo.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top