Agricultura familiar do Coletivo Regional discute estocagem de alimentação animal em Soledade

Durante esta quarta-feira (04), cerca de 100 famílias agricultoras estarão reunidas num encontro, na cidade de Soledade para discutir as estratégias para produção, armazenamento e estocagem de alimentação animal em evento que se iniciará às 8:30 horas no Salão Paroquial Santa Clara, centro daquela cidade.

Segundo a assessoria do PATAC, ONG que acompanha as entidades e agricultores daquele Coletivo, durante o encontro também será lançada a campanha ‘Forragem: Quem cria estoca!’ com o intuito de sensibilizar as famílias sobre a importância de ações preventivas, como o armazenamento de forragem, durante o período das chuvas, enquanto o pasto ainda está verde e apropriado para a produção de alimento animal. “Segundo o coordenador do Patac, Waldir Souza durante o período de chuvas as criações têm muita comida e água. É nesse momento que precisamos armazenar tudo o que pudermos, para nos prevenir no período de estiagem, pois temos na região um potencial muito grande para garantir o alimento dos animais durante o ano”, explica aquela assessoria reafirmando que para se ter uma harmonia com as condições climáticas, criadores e criadoras devem realizar o esforço de guardar mantimentos em quantidades suficientes para os rebanhos, para tanto, é necessário produzir, beneficiar e armazenar em quantidade, qualidade e diversidade para os períodos sem chuvas.

Ao dialogar com nossa equipe, aquela assessoria explicou que no evento que está sendo organizado juntamente com o Coletivo Regional das Organizações da Agricultura Familiar também será lançado o projeto ‘Vida no Semiárido’ que é patrocinado pela Petrobrás e tem como objetivo promover segurança alimentar e renda para a superação da pobreza e construção da cidadania no meio rural do semiárido Paraibano. “Valterlandio Cardoso, técnico do Patac, explica que produzindo de maneira sustentável, manejando a caatinga e cultivando plantas com potencial forrageiro, como: palma, capim, milho, sorgo, guandu, leucena, gliricídia e outras espécies que são sustento para a criação, o agricultor/a garante um rebanho saudável e também a sua manutenção, sem que precise se desfazer de nenhuma de suas criações, durante os longos períodos de estiagem”, explica aquela assessoria.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top