Agricultura familiar sertaneja compra sementes da Paixão de Queimadas para reposição de bancos

Depois de ser vítima da seca 2012, tida como uma das mais severas dos últimos 30 anos e, consecutivamente, enfrentar a continuada seca em 2013, a agricultura familiar do Sertão paraibano foi vítima de relevantes perdas, especialmente das sementes com amplo esvaziamento dos bancos de sementes.

Esse resultado negativo fez com que as entidades da região de Teixeira, Sertão, recorressem em fazer compra de sementes na região do Agreste que, mesmo dentro do ano seco, registrou melhores condições climáticas o que fez com que diversos municípios registrassem produção a exemplo do município de Queimadas onde o sindicato vem fazendo um trabalho junto às associações e famílias agricultoras no processo de plantio e seleção das sementes da paixão.

Entrevistado no Programa Universo Rural e Domingo Rural o diretor da ONG CEPFS, Centro de Educação Popular e Formação Social com sede na comunidade Riacho das Moças, município de Maturéia, região do Teixeira, José Rego Neto, falou sobre o processo de compra de sementes feito a diversas famílias agricultoras de Queimadas. “É um prazer imenso pra nós do Sertão da Paraíba poder vir a Queimadas na ânsia de conseguir a nossa tão sonhada semente da paixão, tendo em vista que os dois, três últimos anos pra nós do Sertão de uma extrema estiagem, uma seca muito grande e a gente praticamente perdeu todo o estoque que tínhamos das sementes da paixão, e a gente ficou sabendo que alguns agricultores aqui, guardiões das sementes, tinham tido um bom lucro de sementes, principalmente do milho jaboatão que é um milho também característico da nossa região e a gente sabendo disso veio aqui comprar algumas sacas desse milho pra poder repor o estoque dos nossos bancos de sementes, então é extremamente importante porque isso demonstra também a própria solidariedade, a integração que existe dentro das regiões do Estado da Paraíba que compõem inclusive a Articulação do Semiárido Paraibano”, explica Rego ao dialogar com Stúdio Rural durante sua estada na cidade de Queimadas dizendo que, de milho, foram comprados mais de 1.000 quilos de semente que servirá para o processo de multiplicação das variedades no inverno sertanejo de 2014.

Aquela liderança disse acreditar que a tendência é outras entidades sertanejas procurarem as entidades do Pólo Sindical da Borborema no sentido de comprar variedades crioulas para o processo de plantio na região sertaneja que contabilizou perda completa durante o inverno 2012 e 2013. “A gente busca essa interface entre as regiões do estado a partir das dinâmicas dos coletivos microrregionais que existem no fórum da Articulação do Semiárido Paraibano no sentido de que a gente possa valorizar o que é nosso, valorizar as sementes da paixão, valorizar as experiências dos agricultores e agricultoras para que a gente possa cada vez mais ter a oportunidade de ter uma convivência melhor com o semiárido”, afirma elencando que essa será sempre a dinâmica, de forma que em períodos que o agreste venha a ter perdas poderá contar com a organização e solidariedade das organizações sertanejas.

Ao dialogar com nossa equipe, a diretora do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Queimadas, Severina da Silva Pereira, Silvinha, falou sobre a importância do processo de produção e venda dessas sementes para as entidades do Sertão já que passa a ser um processo de afirmação de que essas sementes fazem sempre a diferença quando se trata de resistência e no processo de reconhecimento e procura por parte de entidades e agricultores das regiões diversas do estado. “Tivemos sítios, locais em que o lucro foi muito bom, um exemplo é a comunidade Macacos onde eles conseguiram boa produção de milho e nos outros sítios, se a gente procurar, ainda tem agricultor que está com seu estoque com bastante milho”, explica aquela liderança argumentando que organizações de outras microrregiões procuraram o Sindicato dos Trabalhadores de Queimadas para efetivar compra das sementes das famílias agricultoras que praticam a seleção das sementes da paixão. “A compra foi possível porque a gente sempre que alguém entra em contato com nosso sindicato, logo entro em contato com os representantes dos bancos de sementes”, relata citando o caso do pessoal de entidades do Pólo Sindical da Borborema que efetivou compra do produto dentro do município queimadense. “Aqui vendemos sementes para o pessoal, onde compraram 20 sacas do milho e onde 12 sacas do milho Jaboatão do sabugo fino vai ficar lá no banco de sementes de São Joaquim, em Montadas, onde vai abastecer o banco de sementes do Pólo, isso é, os que necessitar, e aqui em Queimadas ficou 11 sacos de milho, onde 1 saco de sementes foi para o Lutador, 1 saco para o pessoal dosa Torrões, 3 sacos para o Maracajá e 3 sacos ficou no banco de sementes central do município e a gente só distribui essas sementes caso a comunidade precise, senão a gente já fornece pra outras comunidades”.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Compartilhe se gostou

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top