Agronegócio paraibano discute projetos de fortalecimento do segmento produtivo com ministra da Agricultura

Representando o agronegócio paraibano, o presidente do Sistema Faepa/Senar, Mario Antônio Pereira Borba, acompanhou a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, em recente visita ao território paraibano, quando visitou regiões importantes do estado a exemplo da região da cana-de-açúcar e o território do Cariri Oriental detentor do forte da produção da caprinovinocultura paraibana. “A vinda da ministra foi mais de reconhecimento, ela que é produtora rural, que foi do Senar do Mato Grosso do Sul, que foi secretária da agricultura durante oito anos, conviveu com a pequena, com a média, com a grande propriedade, com índios, com quilombos e tem uma habilidade política e administrativa muito grande e que foi escolhida pela frente parlamentar de agricultura com apoio da própria confederação como a ministra da agricultura. Então o pensamento do Governo Bolsonaro é de fazer um projeto voltado para as região semiárida, pra região do Nordeste, coisa que até hoje nunca aconteceu. E é pela primeira vez que um ministro da agricultura desce em solo nordestino pra conhecer o semiárido, conhecer a zona seca”, explica Mário Borba ao iniciar diálogo com nosso público ouvinte Programa Domingo Rural e Programa Esperança no Campo.

Borba falou da importância e da estratégia de ter sido mapeado setores com amplo potencial produtivo no estado para a visitação da ministra a exemplo de visita feita a destilaria Japungu, na região de Santa Rita; e visita aos empreendimentos ligados a caprinovinocultura da região do Cariri Oriental, no município de Cabaceiras. “Teve uma visita a destilaria Japungu conhecendo irrigação subterrânea de cana-de-açúcar com questão de tecnologia fruto de pesquisa que transformou numa tecnologia nova onde saiu-se de 50 toneladas por hectare para 110 toneladas por hectare, em média, e uma produção de cinco cortes que passou a ter dez cortes no seu período de colheita, então isso mostra o que é o potencial de uma nova tecnologia, num novo modelo de plantio, gerando aumento de produtividade e de renda para o produtor rural”, explica Borba em contato com nosso público ouvinte Serrana de Araruna e Queimadas FM.

Aquele diretor explicou que foi possível e desafiador mostrar regiões com características bem distintas como é o casa do Cariri de Cabaceiras que é marcada por severas restrições hídricas, mas que apresenta excelentes resultados na caprinocultura de leite, corte e no artesanato do couro da espécie. “E foi o que aconteceu também na visita da ministra a Cabaceiras em que muitos me perguntavam porque Cabaceiras, porque levar a ministra no lugar que menos chove no Brasil. É porque Cabaceiras tem um potencial que talvez poucas pessoas na Paraíba conheçam”, comenta Borba, ao continuar diálogo em entrevista, citando diversas atividades que foram contempladas durante a viagem e que, na opinião daquela liderança, precisam de um olhar diferenciado em políticas públicas por parte dos gestores em exercício.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Faça um comentário

Todos os campos obrigatórios são marcados como (requerida). Seu Endereço de e-mail não será publicado

Voltar para o topo