Araripina e Petrolina serão cidades pioneiras a elaborar cenários futuros de mudanças climáticas no NE

A instalação de torres micrometeorologicas nas cidades de Araripina e Petrolina, até o final do ano, possibilitará o pioneiro monitoramento do fluxo de CO2 em municípios da Região Nordeste, permitindo a realização de estudos de detecção dos impactos das mudanças climáticas, a exemplo da identificação do tempo de degradação do Bioma Caatinga.

A informação é do assessor do Lamepe, Robério Coutinho, esclarecendo que a ação também permitirá a elaboração de cenários futuros das mudanças climáticas, a qual projetará cientificamente as condições da vegetação, tempo e clima dos respectivos municípios, nos anos de 2011, 2020, 2030 e 2040. style=mso-spacerun: yes>  “De acordo com a coordenadora do Laboratório de Meteorologia de Pernambuco (Lamepe), Francis Lacerda, que também coordena o Estudo de Mudanças Climáticas e seus Impactos em Pernambuco (Muclipe) – projeto responsável pela instalação das torres micrometeorologicas em Araripina e Petrolina -, a identificação local dos impactos das alterações do clima, é o pressuposto básico para a elaboração dos panoramas futuros”, complementa Robério.

Ele acrescentou style=mso-spacerun: yes>  que serão produzidos vários panoramas futuros para cada período de análise: 2011, 2020, 2030 e 2040 e que os respectivos cenários apresentarão uma escala que varia segundo as condições climáticas mais otimistas, média e mais pessimista. ‘Francis ressalta que não há mais condições de retroceder o quadro de eventos climáticos extremos presente no planeta, no entanto, é preciso que a sociedade evite a degradação do meio ambiente, para assim, evitar que o pior dos cenários venha a acontecer’, complementa Robério, justificando que identificar saídas para a adaptação da população local é o principal objetivo da elaboração de cenários futuros das mudanças climáticas.

Coutinho informou ainda que os resultados dos impactos das mudanças climáticas e seus respectivos cenários futuros nos municípios de Araripina e Petrolina servirão de modelo para estudos em outras cidades que apresentam o clima árido e semi-árido do Nordeste brasileiro.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top