Assentamento rural em Campina Grande recebe tecnologia de convivência com o semiárido

Assentados e técnicos da entidade contratada pelo Incra para prestar assistência técnica ao Assentamento Vitória, na zona rural de Campina Grande (PB), estão preparando o assentamento para conviver com as condições climáticas do semiárido.

A informação é da assessora de comunicação do Incra, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, Kalyandra Vaz, explicando que o Assentamento Vitória possui 38 famílias assentadas e é assistido pela Coonap, Cooperativa de Trabalho Múltiplo de Apoio às Organizações de Autopromoção, que vem implementando estratégias de estocagem de água, de produção de forragem animal e de geração de renda e que uma das principais ações conjuntas realizadas, transformado na Unidade Demonstrativa (UD) Aprendendo a conviver com o Semiárido, foi o aproveitamento de 600m² do piso de um antigo galpão como área de captação de águas pluviais (da chuva) para uma cisterna do tipo calçadão.

Vaz informou que, dentre importantes empreendimentos, a recuperação do piso do calçadão já foi concluída e a renovação do piso e das paredes da cisterna (reservatório que vai receber a água), a cerca de cinco metros do calçadão, está na última etapa, a de impermeabilização que deve ser concluído até o final do ano e que o objetivo é concluir as obras antes das primeiras chuvas de 2014, esperadas para o mês de janeiro. “Segundo José Diniz das Neves, a capacidade de armazenamento da cisterna é de aproximadamente 300 mil litros de água”, explica Vaz acrescentando que, segundo Diniz, ainda está sendo feito um levantamento sobre o tempo em que a cisterna, quando estiver com a sua capacidade máxima, poderá ser utilizada.

Ao contatar com Stúdio Rural aquela assessora explica que para garantir alimentação para os rebanhos em épocas de estiagem, a UD daquela assentamento ganhou 21 campos de multiplicação de palma forrageira resistente à Cochonilha do Carmim, cada um com aproximadamente 200 raquetes. “Também em parceria com o Insa, está sendo recuperada a Área de Preservação Permanente (APP) do assentamento” explica acrescentando que outra ação que será desenvolvida na UD é a produção de alimentos e que já foi construído um biodigestor e realizada a reforma de uma casa e de uma cisterna de placas para a instalação de uma cozinha comunitária destinada à preparação de bolos por um grupo de sete mulheres do assentamento e arrematou dizendo que, na opinião do engenheiro agrícola da Coonap a intenção é fortalecer o grupo, conquistar mais mulheres para produzir em quantidade para fornecer para o Pnae (Programa Nacional de Alimentação Escolar) e para aproveitar a proximidade com a sede do município de Campina Grande, distante cerca de 18 quilômetros do assentamento.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Universo Rural
Foto style=mso-spacerun: yes>   : Kaliandra Vaz

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top