Coordenação do Pólo Sindical discute jornada de ações para a Borborema

Entidades sindicais da coordenação do Pólo Sindical da Borborema estiveram reunidas na última quarta-feira(12/01) para fechar as questões que ficaram pendentes e que dizem respeito as ações que serão desenvolvidas neste primeiro trimestre do ano com ênfase para o mês de fevereiro.

O encontro aconteceu na sede da AS-PTA, município de Esperança, e contou representações dos municípios diversos e, segundo um dos coordenadores do Pólo, Nelson Anacleto, a jornada trata-se de um planejamento estratégico para ser trabalhado dentro das demandas de cada município. “Essas jornadas elas começaram no ano passado, foram uma decisão que o Pólo tomou de que todos os municípios se encontrassem em suas direções ampliadas com lideranças dos municípios para fazer uma reflexão sobre o planejamento das ações em cada município e muito mais além do que o planejamento das ações, mais uma reflexão sobre as estratégias dessas ações, de forma que a jornada para nós é um planejamento estratégico que cada município faz do ano, inclusive garantindo uma reflexão aprofundada das linhas de ação que vai ser desenvolvida em cada município, e o resultado dessas jornadas municipais ou esse planejamento estratégico culmina com o grande encontro de planejamento do Pólo que acontecerá nos dias 22 e 23 de fevereiro”, explica Nelson ao dialogar com os ouvintes do Programa Universo Rural da Rádio Bonsucesso de Pombal.

Entrevistado no Universo Rural da última sexta-feira(14), aquele coordenador falou sobre a importância desse trabalho se ampliar para todo o Estado da Paraíba, o que, na opinião daquela liderança, refletiria nas ações das entidades congregadas na Federação dos Trabalhadores do Estado da Paraíba que sofreria mudanças progressistas na forma de atender as demandas sociais e políticas públicas de todo o Estado. “Inclusive isso vai fazer parte da discussão dessa jornada, nós temos ainda, e isso é muito evidente, muitos limites no nosso movimento sindical dos trabalhadores rurais, nós temos aí muitas vezes as nossas instâncias representativas aquém do que realmente nós queremos e esperamos, de forma que nós precisamos avançar, porém, nós entendemos também que muitas vezes a culpa dos nossos pequenos avanços passam a ser dos próprios sindicatos, porque tem um ditado que diz que temos o governante que merecemos, que construímos, e isso também vale para o movimento sindical”, exemplifica afirmando que ações e lutas por uma agricultora sustentável associada as diversas necessidades sociais têm que ser fortalecidas nas federações e confederação dos trabalhadores agricultores.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Universo Rural

Compartilhe se gostou

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top