Cuscuz agroecológico do Polo Borborema é destaque em Domingo Rural e Esperança no Campo

O processo de organização das famílias agricultoras, com ênfase na agroecologia, em municípios do Território da Cidadania Borborema, vem ganhando espaço e apresentando frutos positivos que já refletem na qualidade da alimentação dos agricultores e agricultoras da região, colocam excedentes de produtos à venda nos espaços de comercialização direta ao consumidor com produtos de agregado valor.

Um exemplo é o fubá agroecológico do milho da semente da paixão que já está em acentuado processo de fabricação e já chega às feiras agroecológicas da região da Borborema, Território do Cariri, Seridó, dentre outras regiões paraibanas e que foi destaque no Programa Domingo Rural e Programa Esperança no Campo a partir de entrevista com o assessor da ONG AS-PTA, Emanoel Dias. “É com imensa alegria que a gente volta a utilizar esse espaço pra falar um pouco da produção de fubá, de xerém de munguzá livre de transgênicos, então essa é uma ação ligada a rede de bancos de sementes comunitários aqui no Território da Borborema, articulado pelo Polo da Borborema e assessoria da AS-PTA, e a gente vem nessa luta pra não ter a contaminação das sementes crioulas por milho transgênico, então, além de tratar da questão da conformação com as famílias, a gente está com uma atividade bem prática iniciada desde o ano passado com a unidade de beneficiamento dos derivados livres de transgênicos, unidade que está localizada em Lagoa Seca, no banco de sementes e a gente semanalmente tem uma produção de fubá e xerém de munguzá que é encaminhado para as feiras agroecológicas do Território da Borborema, mas também em outras regiões do estado da Paraíba que tem parceria com a nossa ação”, explica Emanoel Dias ao iniciar diálogo com nosso público ouvinte da Rádio Queimadas FM e Rádio Serrana de Araruna.

Dias detalhou diversos pontos e espaços de venda em cidades paraibanas, falou sobre o trabalho que vem sendo feito para conscientizar a agricultura familiar do Polo em se fortalecer enquanto território agroecológico, falou sobre a existência de 62 bancos de sementes na região com multiplicação nas dinâmicas de pesquisas participativas, falou sobre o trabalho que as entidades parceiras têm feito para levar essa discussão e esses produtos para o setor urbano e garante que pouco a pouco a sociedade vem procurando as feiras com seus produtos e que essa procura tem feito com que a agricultura familiar fortaleça a produção e beneficiamento da diversidade da agroecologia regional.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Faça um comentário

Todos os campos obrigatórios são marcados como (requerida). Seu Endereço de e-mail não será publicado

Voltar para o topo