Direção executiva da CUT-PB planeja ações de luta para esse ano de 2013 do local ao nacional

A direção executiva da Central Única dos Trabalhadores na Paraíba (CUT-PB) esteve reunida na última terça-feira dia 29 objetivando construir uma agenda de luta para esse ano de 2013 no contexto estadual e nacional quando foi realizada uma avaliação sobre a execução do planejamento realizado durante os primeiros seis meses da gestão 2012/2015 daquela central sindical.

Paulo Marcelo é diretor presidente daquela unidade sindical e, ao falar com a equipe Stúdio Rural, falou sobre as ações que serão trabalhadas durante esse ano 2013 onde ele diz que temas como a seca no Estado, a relação com os novos gestores municipais e questões relacionadas com a organização sindical serão pontos de luta. “Na verdade nós estamos de fato os trabalhos da Central com uma importante reunião com toda a direção executiva e os outros diretores que não são da executiva, mas que estão também na luta junto conosco para rever nossa pauta, nossa agenda para o ano 2013, rever aquilo que não foi possível realizar no ano 2012 e traçar os planos de lutas que nós temos em todas as categorias municipais, professores, bancários, o setor da indústria e que é preciso se organizar pra começar o ano colocando o bloco na rua, não o bloco de carnaval, mas o bloco de trabalhadores reivindicando os seus direitos. A nível nacional estamos antenados com a CUT nacional brigando pra manter na pauta a grande bandeira de luta tipo fator previdenciário, jornada de trabalho e outras lutas que são de interesse da classe trabalhadora, é isso que nós estamos fazendo aqui em Campina Grande”, explica aquele diretor cutista.

Durante a reunião da direção executiva, o secretário de comunicação daquela central sindical, Arimatéia França, fez a apresentação do layout do site e das estratégias de comunicação da entidade e, ao ser entrevistado por Stúdio Rural, disse que este momento é de organização, incluindo a construção do coletivo de comunicação, que será responsável pela execução das estratégias da central sindical. “O objetivo é aprofundar a forma, jeito, maneira de organização dos trabalhadores seja no campo, seja na cidade, seja pública, seja privada no intuito que a gente possa estar aglutinando forças para o enfrentamento no cotidiano dos trabalhadores e na vida do sindicato nos diversos ramos”, explica frança dizendo que a distribuição de renda será tema bastante aprofundado nas discussões e práticas de luta no ano 2013.

Ao contatar com Stúdio Rural, Arimatéia explicou que uma das estratégias é a promoção da articulação da CUT-PB com outras entidades e com outros movimentos para efetivar, no Estado, uma luta rigorosa para democratização da comunicação, integrando e socializando as informações, fazendo-as chegar aos trabalhadores e trabalhadoras.

Paulo Medeiros Barreto é presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Barra de Santana, participou do encontro e concedeu entrevista à equipe Stúdio Rural falando sobre as perspectivas de lutas para o ano 2013 nas diversas categorias de trabalhadores dentre as quais os rurais e garante que a central sindical cobrará muito dos governos para que desenvolvam ações estruturadoras de convivência com o semiárido paraibano. “Vamos ter que cobrar porque da forma como está se conduzindo com muita propaganda, muita mídia e pouca ação por parte dos governos, nós estamos aí os rebanhos sendo dizimados na nossa zona rural, nós estamos sem investimento nenhum, reservatórios nós não temos quase na zona rural e a gente precisa estar cobrando para que seja elaborado documento por parte da central e dos movimentos sociais e apresentar para o governo para que sejam executadas políticas que realmente venham trazer benefícios para a população e para que não a gente esteja discutindo, debatendo, apresentando e o governo engavetando as políticas que deveriam estar sento implantadas para minimizar a situação do povo”.

Medeiros Barreto é da opinião de que esse é o momento para se discutir políticas de convivência com o semiárido em sintonia com as diversas entidades da sociedade civil e ampliar as discussões para o processo de fortalecimento do movimento sindical rural como forma de também fortalecer a agricultura familiar paraibana a partir da construção de projetos para a sustentabilidade no meio rural paraibano e disse garante que os sindicatos filiados à CUT Paraíba estarão planejando suas ações ligadas a agricultura familiar que serão trabalhadas em sintonia com as lutas e aspirações das diversas outras categorias de trabalhadores de todo o estado da Paraíba.

Nelson Anacleto é componente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Lagoa Seca e do Pólo Sindical da Borborema e diz que os rurais da CUT vão fortalecer as entidades sindicais em cada município e vão lutar por uma direção para a FETAG, Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado da Paraíba e lembra que com a estrutura que a FETAG tem na atualidade associada a construção de um quadro renovado quem ganhará será a agricultura familiar. “Esperamos que nesse ano 2013 possamos enquanto central, através do conjunto das organizações que a ela é filiado possa dar respostas aos grandes desafios que nós enfrentamos na nossa conjuntura tanto do campo como da cidade, por isso é que nós esperamos muito que a central seja capaz de dar condução a esse processo política, a essa luta e a questão dos mandatos que nós temos aí que nós temos aí no campo popular de muitos dirigentes sindicais de organizações do movimento popular em várias regiões do estado eu entendo que precisam também, via central com outras organizações, construir uma articulação no sentido de afinar as políticas”.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top