Embrapa realiza estudos e capacitação em ambiental de oleaginosas

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), desenvolve o projeto “Gestão Ambiental Territorial da Produção de Óleos Vegetais para Obtenção de Biocombustíveis”.

Segundo a assessora de comunicação da Embrapa Meio Ambiente, Maria Cristina Tordin, o projeto dedica-se à avaliação de impactos ambientais da cadeia produtiva, envolvendo duas abordagens complementares: o entendimento dos impactos sob o alcance dos elos da cadeia, de um lado, e a gestão ambiental de estabelecimentos rurais dedicados à produção de oleaginosas, de outro.

Os Estados do Piauí e da Bahia, lembrou Tordin, destacam-se no cenário nacional de produção de biodiesel de óleos vegetais, com a mamona, e o Estado do Pará na produção de palma (dendê), com a inserção da produção familiar, que constituem pontos importantes para esse estudo.

Ela informou que de 26 de fevereiro a 9 de março, a equipe do projeto realizou treinamentos e avaliações de estabelecimentos rurais dedicados à produção de mamona e dendê em três regiões produtoras distintas em Anísio de Abreu e São Raimundo Nonato (PI), em Belém (PA) e em Irecê (BA). “O pesquisador da Embrapa Meio Ambiente e um dos coordenadores da atividade, Cláudio Buschinelli, explica que a metodologia desse estudo envolve dois sistemas complementares de avaliação”, acrescentou, justificando que inicialmente, realiza-se a avaliação de impactos ambientais da cadeia produtiva das oleaginosas utilizando o Sistema Eco-Cert.Rural, com consulta dos atores sociais diretamente envolvidos, como administradores e gestores municipais, instituições de pesquisa e apoio, ONGs, agroindústrias, usinas de biodiesel, cooperativas, associações, produtores, sindicatos rurais e cooperativas’.

O Eco-Cert.Rural, lembrou Tordin, é um sistema simplificado de planilhas eletrônicas que integram 24 indicadores de sustentabilidade agrupados nas dimensões Desempenho Ecológico e Desempenho Socioambiental, acrescentando que o pesquisador explica que o sistema é de fácil e rápida aplicação e vem sendo usado na avaliação de impactos ambientais de atividades e tecnologias em estabelecimentos rurais de variada natureza com resultados bastante expressivos.

São parceiros do projeto, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), a Embrapa Meio Norte (Teresina, PI), a Embrapa Amazônia Oriental (Belém, PA), Embrapa Amazônia Ocidental (Manaus, AM) e a Embrapa Algodão (Campina Grande, PB).

Fonte : Stúdio Rural

Compartilhe se gostou

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top