Entidades da Borborema realizam plenária e discutem problemas e entraves no território

Entidades dos diversos municípios da Borborema participaram de uma Plenária do Fórum de Desenvolvimento Territorial Rural da Borborema na última terça e quarta-feira(14 e 15 de abril), em evento que aconteceu no Centro de Eventos Maristas, em Lagoa Seca, numa ação promovida pelo Ministério do Desenvolvimento através da Vínculos, Cooperativa de Prestação de Serviços em Desenvolvimento Sustentável.

O evento teve o papel de continuar as discussões e busca de soluções para os principais problemas relacionados aos 21 municípios daquele território da cidadania e contou com participação de representações do governo do estado a exemplo da Secretaria da Agricultura Familiar, Emater, do BNB, Delegacia Federal do MDA-PB, prefeituras, sindicatos de trabalhadores rurais, universidades dentre outras.

Participante no evento, Stúdio Rural dialogou com o coordenador da Emater regional Areia, Auto Martins da Costa, que falou sobre a importância do evento, das conquistas ao longo das atividades e sobre o processo de aprendizado coletivo que se faz com a união das organizações de governos e não governamentais dos diversos municípios do território. “Minha avaliação é bastante positiva, até pelo fato do fórum do território ter passado um bom tempo sem se reunir e se reuniu desta vez em grande estilo, trouxe o secretário da Agricultura Familiar, trouxe o doutor José de Sousa pra proferir palestras e vejo o evento de forma muito positiva com muitas propostas boas que estão saindo e esperamos que o fórum sempre se reúna com uma periodicidade bem menor”, argumentou Auto Martins ao dialogar com o público ouvinte da Rádio Queimadas FM e Rádio Serrana de Araruna, acrescentando que o ponto mais forte foi a participação do secretário da Agricultura Familiar, Lenildo Dias de Morais, trazendo um conjunto de propostas e proposituras de políticas públicas por parte do governo do estado para serem trabalhadas em parceria com as entidades dos municípios territorializados.

Presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Pilões, Ariosmar Cândido da Cruz disse ter sido importante evento já que contou com ampla participação das entidades municipais e foi espaço de amplas discussões acerca dos principais problemas e busca de soluções. “É importante porque é aqui que se discute projetos que contemplem toda a região que está dentro do território, então se o município não está dentro das discussões do território vai ser ruim para o seu desenvolvimento dentro das questões das políticas públicas. Hoje pela manhã eu vi a apresentação da palestra do novo secretário da Agricultura Familiar do governo do estado da Paraíba, professor Lenildo Morais, aonde ele coloca as ações que a secretaria vai ter a partir de agora, a partir do novo governo de Ricardo Coutinho, e ele falando de coisas importantes e colocando aqui as questões das barragens subterrâneas, a questão das cisternas de placas e toda uma demanda e política voltada com ações para a agricultura familiar”.

Ari, como é conhecido, diz que a falta de segurança no campo está bastante assustadora com um número elevado de famílias agricultoras saindo do campo para morar nas cidades em razão das agressões sofridas no meio rural por parte de ladrões que colocam em risco a vida dos moradores camponeses. “No meu município nós já temos ali entre Pilões e Serraria várias famílias que foram abordadas por delinquentes e por pessoas violentas aproveitadoras que vem amedrontar com a prática de crimes contra as famílias no campo e, inclusive, no mês passado houve um grande encontro do fórum dos assentados dos nossos municípios que contempla Pilões, Serraria e Areia e colocamos todo um diagnóstico acerca da segurança do campo destes municípios, lá estiveram presentes o comandante do BPM do município de Guarabira, capitão Valério, e o secretário da Polícia Civil regional de Guarabira e lá eles prometeram, inclusive, de fazer as ações pra combater a falta de segurança no campo, prometendo colocar a disposição da região viaturas patrulhas rurais e até o momento não foi contemplado essas viaturas com essas patrulhas rurais e estamos aguardando que de fato o capitão Valério, do quarto batalhão de Guarabira, cumpra com sua promessa”, denunciou aquela liderança em contato com o público ouvinte da Rádio Serrana em toda aquela região do Agreste, Brejo e Curimataú paraibano.

Gabriel Souza Ibiapina é presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Arara, participou do evento e do Programa Esperança no Campo e Domingo Rural. Para ele o encontro é a continuação de um trabalho e discussão de políticas públicas com participação popular. “Esses encontros estão fazendo com que a gente aprenda novas alternativas para a agricultura, umas coisas nos anima e outras nos desanima porque a gente vê que tem coisas que a gente não vai conseguir mais avançar da maneira que nossas avós vinham avançando e hoje fica um pouco difícil, mas então a gente vê que é preciso a gente está se adequando através de todas essas palestras e todas esses encontros que estão acontecendo, a gente está vivendo uma nova realidade quando comparado a vinte anos atrás, por outro lado a gente se anima também com essa união, com essas parcerias que nós temos porque é através dessas parcerias que a gente busca a realidade e afirma as coisas e chega até a zona rural e até o urbano de nossas cidades com novas alternativas buscando as melhorias para nossa agricultura”, explica aquele sindicalista ao dialogar com nosso público ouvinte.

Aquela liderança disse que a falta de segurança representa maior grau de preocupação na zona rural daquele e de outros municípios da região do Brejo e Curimataú. “Fiquei triste porque o debate da segurança seria hoje, a câmara temática da segura seria o êxodo rural e a insegurança no campo que já vai ficar para outro dia porque o tempo foi muito curto, então a gente vê que hoje a coisa está muito séria, Arara mesmo a gente já conta com aproximadamente 80% do êxodo rural, então só temos hoje apenas 20% que está na área rural, então a perda é grande porque a maioria já mudou-se, e o que está acontecendo? O agricultor fica a noite na zona urbana, dorme lá e durante o dia fica na zona rural. Então isso é uma perda grande porque quando a gente se afasta os bandidos vão lá e roubam, assaltam, levam o gado, levam tudo” lamenta Gabriel Souza ao contatar com o público ouvintes de nossas emissoras espalhado por todo nosso semiárido.
Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top