Fazenda Bodopitá expõe inovações de ordenhas durante intercâmbio para cooperativistas

SR231115bRepresentações do cooperativismo nordestino conheceram in loco o processo de produção de leite, o manejo com a pecuária leiteira e o criatório de bezerros da Fazenda Bodopitá, de propriedade do pecuarista médico Antônio Dimas Cabral, situada na comunidade Bodopitá de Caturité, Cariri Oriental paraibano.

Na fazenda e durante uma visitação de intercâmbio com lideranças de ONGs e cooperativas dos estados do Ceará, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte, na tarde do dia 05 último, o pecuarista proprietário da fazenda, Dimas Cabral, dialogou numa dialógica expositiva mostrando que, mesmo diante da seca que se sequencia desde 2012, a fazenda figura com um processo de ordenha em cerca de 130 vacas e contabiliza cerca de 2,1 mil litros de leite diariamente. “O bom destas visitas é a troca de informações, a gente recebe pessoas que têm informações pra dar e a gente devolvendo outras informações. Aqui o pessoal olhou a ordenha que é um duplo oito e o pessoal viu como funciona essa ordenha e depois a criação de bezerros que é uma criação diferente do normal, é uma criação em que eu tiro o bezerro logo que a vaca pari, separo e crio separado dando leite em balde e mamadeiras e mesmo com o pouco tempo, mas deu pra ver como trabalho o funcionamento nestes termos”, explica Dimas ao dialogar com nosso público ouvinte.

Antônio Dimas falou das estratégias de criação tomando como referência a alimentação do rebanho dentro do processo de produção de alimento nestes anos secos e garante ser necessário o produtor local se preparar para fazer sempre o trabalho de armazenamento de água e ração como forma de conviver bem com a realidade climática da região.  “Hoje nós estamos com 135 vacas, nós estamos produzindo 2100 litros de leite, tem baixado porque nossa condição climática não permite que a gente faça uma boa alimentação, a base de nossa alimentação é silagem de sorgo que esse ano, como a condição não foi boa, ele(sorgo) não cacheou, então perde em qualidade, por isso que nossa produtividade baixa e, associado a isso aí do volumoso, nós temos além da silagem: o feno, o tífton e a palma que é a palma miúda, palma doce, esse é o que compõe o nosso volumoso e o concentrado a base de milho e soja e agora estou entrando com torta de algodão que é mais em conta”, explica aquele pecuarista, provocando entusiasmo no público visitante e ao público ouvinte Domingo Rural e Esperança no Campo.  “Todo criador de leite são pessoas diferentes, são pessoas dedicadas e que acreditam em seu negócio e uma maneira de você ter esse negócio fortalecido é atuar em forma de união, em cooperativa já que o cooperativismo é fundamental pra gente se desenvolver”, explica Cabral que é cooperado na Coapecal, Cooperativa Agropecuária do Cariri.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Faça um comentário

Todos os campos obrigatórios são marcados como (requerida). Seu Endereço de e-mail não será publicado

Voltar para o topo