Incra anuncia mais uma imissão de posse de imóvel no Brejo paraibano

A Superintendência Regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) na Paraíba se imite na posse do imóvel rural Fazenda Lagoa dos Barros com área de aproximadamente 429 hectares, no município de Areia, Brejo paraibano, na manhã desta quinta-feira (12) e que quando transformada em Projeto de Assentamento da reforma Agrária irá beneficiar 21 famílias de trabalhadores rurais.

Segundo a assessora de comunicação do Incra-PB, Kaliandra Vaz, participarão do ato de imissão de posse, na sede do imóvel, o superintendente do Incra, Frei Anastácio(foto), a procuradora do Incra-PB Elizabeth Nascimento Belo, além de trabalhadores e representantes do MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. “Para o diretor estadual do MST, Jotailson Gomes do Vale, “a imissão de posse pelo Incra, representa uma grande vitória para o movimento que vinha lutando pela terra há cinco anos”, relata Vaz.

Ela informou que os próximos passos para o assentamento das famílias no imóvel serão a publicação da Portaria de criação do Projeto de Assentamento, o cadastro e a homologação das famílias. “Segundo o superintendente do Incra, a fazenda está situada em uma área de terras férteis e irá proporcionar boas condições de produção para as famílias beneficiadas”, esclarece Kaliandra, acrescentado que o superintendente daquela instituição destacou a área como sendo de solo favorável a todas as culturas de nossa região, a exemplo de milho feijão, inhame, macaxeiras, batata-doce, abóbora, frutas e verduras.

Ao contatar com nossa equipe, aquela assessora informou que o imóvel rural foi declarado de interesse social para fins de reforma agrária através de Decreto Presidencial publicado no Diário Oficial da União (DOU) no dia 01 de setembro de 2008. “Com a publicação, a superintendência regional do Incra/PB fica autorizada a promover a desapropriação e dar andamento à criação de um novo Projeto de Assentamento, observando as áreas de reserva legal (equivalente a 20% da área do imóvel) e de preservação permanente (margens de rio, cumes de morros etc.)”, finaliza.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Compartilhe se gostou

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top