Intercâmbio de agricultores de municípios do Sertão pernambucano, em São José do Egito, é destaque em Domingo Rural

Agricultores familiares agroecológicos de diversos municípios do Sertão pernambucano participaram de um intercâmbio no município de São José do Egito, Pajeú daquele estado, para conhecer experiências com bancos comunitários e bancos familiares de sementes crioulas, sementes da resistência.

O intercâmbio aconteceu na última terça-feira, 19 de fevereiro, no Sitio Felipe, propriedade do agricultor Francisco de Assis; e sítio Retiro propriedade da agricultora Fátima e Eduardo Silva, contou com famílias de municípios da região de Serra Talhada e Afogados da Ingazeira numa ação da ONG Casa da Mulher do Nordeste que faz parte das dinâmicas da ASA Brasil, Articulação do Semiárido Brasileiro num projeto parceiro com a Fundação Banco do Brasil.

Claudevan José dos Santos é diretor do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Serra Talhada, entidade parceira no projeto, participou do Programa Domingo Rural deste domingo(24) explicando a importância do intercâmbio, as experiências visitadas e sobre o conjunto das ações desenvolvidas nas diversas microrregiões do estado de Pernambuco. “Faço uma avaliação muito importante para a agricultura familiar, a gente foi lá resgatar sementes crioulas resistentes à seca, a gente foi conhecer lá um agricultor que trabalha com essa variedade de sementes crioulas há muito tempo, então isso foi um momento inesquecível pra que a gente possa resgatar essas sementes crioulas resistentes à seca”, explica aquela representação ao dialogar com nosso público ouvinte Serrana de Araruna AM 590 kHz classificando que a ampla variedade de sementes de milho, feijão e fava foi o que mais chamou a atenção além de técnicas de utilização do solo ao utilizar a sementes no período de plantio.

Claudevan garante que os municípios do semiárido pernambucano vêm se fortalecendo com ações que proporcionam autonomia das famílias agricultoras com as sementes, com a água, a genética animal dentre outras. “Aqui em Serra Talhada e Afogados da Ingazeira, principalmente em Serra Talhada nós que fazemos parte do Sindicato de Serra Talhada sempre agimos com essa dinâmica em todas as comunidades rurais aqui de Serra Talhada para que as famílias pudessem trabalhar com bancos de sementes para resgatar suas sementes dos antepassados e guardar sua própria semente para que no início do plantio não esteja esperando sementes de governos, então essa dinâmica a gente já tem aqui no município de Serra Talhada através do Sindicato dos Trabalhadores Rurais”, explica Claudevam ao dialogar com nosso público ouvinte na Paraíba e Rio Grande do Norte, especialmente.   

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Faça um comentário

Todos os campos obrigatórios são marcados como (requerida). Seu Endereço de e-mail não será publicado

Voltar para o topo