Prefeito de Queimadas assina decreto que reconhece servidores concursados e diz que senhor gestor deve ser servo

O gestor público deve ter sensibilidade e buscar em si a capacidade de querer servir, buscando construir uma política com participação das pessoas e suas organizações.

Esse argumento é do prefeito da cidade de Queimadas, Jacó Moreira Maciel(foto), ao dialogar com Stúdio Rural, falando sobre a assinatura de um decreto que reconhece o direito de 106 funcionários públicos da área de saúde naquela municipalidade(Clique e leia) e garante estar buscando conduzir a administração focado em escutar a vontade popular e que a administração que lhe antecedeu deixou claro que não se promove uma sociedade feliz construindo uma política de gabinete sem compartilhar discussões políticas com a população e suas representações socais. “É um momento muito louvável a gente poder, como gestor, presentear esses servidores que vinham realmente numa luta na justiça por conta de um comportamento da administração anterior e, por meio legal, baixamos um decreto onde a gente, a partir deste instante, dá a todos esses servidores a tranquilidade de eles poderem trabalhar e não ter que pensar que amanhã tenha que sair. Eu disse em minha fala que fazer política ainda vale a pena porque existe momento como esse em que a gente pode fazer pelas famílias, são mais de cem famílias que hoje está recebendo esse ato do governo municipal através de nossa equipe que são nossos secretários que buscaram um meio legal pra dar essa tranquilidade a todos esses servidores para que tenham realmente uma estabilidade de muitos anos”, explica Jacó ao dialogar com Stúdio Rural.
Ao dialogar com nosso público ouvinte, Moreira Maciel disse acreditar que a anterior administração tomou a iniciativa de não acatar os concursados por uma questão pessoal e disse que a questão pública deve sofrer decisões com participação pública. “Esse povo viveu durante os quatro anos da gestão anterior essa perseguição, de hoje está trabalhando e amanhã está fora, e esse povo viveu na condição de liminar junto a justiça e hoje a gente pode dar a esse povo essa tranquilidade e que momentos como esse não volte a cidade vivenciar”, explica aquele gestor.
Jacó afirmou que a população sofre quando uma gestão público não se pauta em construir diálogos e disse que a realidade daqueles servidores revela que a gestão anterior trabalhou com práticas excessivamente opressoras. “Não tem outra palavra pra expressar, faltou toda a sensibilidade porque não houve sensibilidade e dialogo na administração e a prova maior é que esse povo ficou na condição de liminar até o dia de hoje, provando essa decisão no concurso e hoje a decisão de justiça se faz em poucos dias, concurso fraudulento a justiça anula e a prova maior é que não houve isso, então estou tendo esse reconhecimento para que possa neste dia de hoje findar todo momento difícil que esse povo vivenciou durante esses anos”.
Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo RuralFoto  : Raiza Tavares

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top