Barra de Santana, após fortes prejuízos, inicia recadastramento de beneficiários do Garantia Safra

Após registrar grandes perdas em razão da falta do Conselho Municipal do Desenvolvimento Rural Sustentável e após inúmeras denúncias de irregularidades feitas por parte do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Barra de Santana está sendo feito um recadastramento para selecionar os participantes beneficiários do Programa Garantia Safra 2010/2011 em todo aquele município.

style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>Durante toda essa semana foi feito um trabalho de recadastramento em todo o município numa ação que se deu com reuniões por áreas pólo comunitárias e, desta vez, envolveu representações do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Emater, Prefeitura Municipal dentre outras para que, sendo uma ação participativa, evite os inúmeros prejuízos registrados em anos anteriores que causaram prejuízos ás famílias agricultoras que ficaram sem receber seus direitos de forma parcelada, prejuízos ao comércio local que deixou de ter em circulação volumes financeiros significativos e a própria prefeitura local que deixou de arrecadar impostos que são próprios do processo de circulação de mercadorias no comércio local dentre outras.

style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>Por falta da existência do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável naquele município em anos anteriores, centenas de famílias ficaram sem receber o direito a exemplo da agricultora familiar Maria Marinalva Nunes da Silva, residente no Sítio Torres de Barra de Santana que é da opinião de que o Garantia Safra é importante para a agricultura familiar, mas que, por falta do conselho municipal, o município todo contabilizou prejuízos, inclusive ela. “Ajuda bastante porque a gente não tem emprego certo. Aí, já perde na agricultura e quando vem o Garantia Safra é bom pra gente, ajuda muito”, explica aquela agricultora afirmando que participa desde o início, que em um ano ela pagou a taxa e não recebeu, e de outra vez não veio o nome dela na lista.

style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>A agricultora familiar, Maria Verônica Venâncio, mora no Sítio Torres, diz que participa desde o início, mas que já chegou ter prejuízo em anos anteriores e não teve o direito de receber as parcelas o que tem colocado a família a enfrentar realidade de sofrimento e perdas, “Ninguém sabe explica, uns dizem que foi porque choveu, outros que foi porque fez sol, aí quem perdeu foi a gente”.

style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>Após reivindicações do Sindicato dos Trabalhadores daquele município através da imprensa, as entidades locais passam a se organizar iniciando um trabalho de recadastramento dos agricultores e objetivando fazer com que situações semelhantes aos anos passados possam ser evitadas conforme o técnico da Emater, Marcelo de Oliveira, explico a equipe Domingo Rural. “O Conselho, a gente precisa e já está planejando uma reformulação do conselho”, relata o técnico, explicando que para que a existência do conselho é de importância fundamental para que se faça um trabalho de fiscalização de todas as ações de desenvolvimento naquele município.

style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>Como forma de melhorar o trabalho, o município de Barra de Santana colocou um novo secretário de agricultora que passa a acompanhar os trabalhos. Trata-se de Maurílio Vieira que, assumindo a pasta, representa o município no processo de recadastramento e falou sobre o trabalho que se inicia na parceria de entidades. “Quando eu assumi a Secretaria de Agropecuária e Meio Ambiente aqui do município de Barra de Santana, foi uma das minhas honras foi convidar os parceiros para fazerem parte, porque nós teremos que trabalhar exclusivamente com os parceiros. Convidamos o Sindicato dos Trabalhadores Rurais em nome da pessoa de Paulo que é uma pessoa que tem um grande conhecimento sobre nosso município, convidamos parceira Emater em nome de nosso amigo Marcelo e demais parcerias porque eu acho que o município não é meu, o município é de todos nós”.

style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>Paulo Medeiros Barreto é presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Barra de Santana e é da opinião de que as medidas tardaram, mas que com a participação das entidades locais o Garantia Safra terá chance de regularidade nesta edição e tem expectativa de que daqui pra frente o Conselho Municipal passará a ser organizado permanentemente e falou sobre as realidades de perdas e perspectivas de ganhos a partir de agora naquele município do Cariri Oriental paraibano. “Quero dizer aos ouvintes que desta vez realmente o sindicato está presente, porque nos outros anos em que foi feito cadastramento a gente não teve acesso porque ficava restrito a secretaria de agricultura e não dando espaço pra gente trabalhar e participar. Desta vez nós estamos participando em todas as comunidades, participando diretamente do cadastramento da seleção dos agricultores”, explica aquele sindicalista em parte inicial de sua entrevista garantindo que o sindicato tem mostrado em todas as reuniões e através de diversos outros meios que as ações só serão corretas quando da existência do Conselho Municipal de Desenvolvimento Sustentável do município. “Você vê que na última reunião que nós tivermos, os parceiros juntos, eu mostrei a necessidade de realmente formar o conselho de verdade porque hoje o Conselho de Desenvolvimento Rural Sustentável do município não tem legalidade, foi criado naquele instante ali sem registro em ata, sem ata ser registrada e sem ter documentação nenhuma que desse sustentação a esse conselho, então mostramos a necessidade de realmente criar de fato e de direito o conselho que venha realmente exercer o papel de conselho dentro do município”, explica Barreto, afirmando que a lista do Garantia Safra não era de agricultores já que a DAP constava de mototaxistas, pessoas do setor urbano, funcionários públicos dentre outros que tomavam a vaga de quem realmente é agricultor na modalidade apropriada.

style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>Barreto informou que com as irregularidades, o município perdeu mais de quatrocentas famílias que ao multiplicar por R$ 660,00 representa uma grande perde para a economia local e fragiliza a agricultura familiar. “Agora nós estamos contando com o parceiro que é essencial dentro do município que é o técnico da Emater, ele não tem vínculo político dentro do município, não tem vínculo familiar, ele agora está mostrando que vai fazer o papel do técnico que é fazer o trabalho dele atendendo as exigências tanto das leis que regem o Garantia Safra como também na conta porque ele é que será responsável por emitir essas DAPs”.

style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Compartilhe se gostou

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top