Centro Regional de Referência da Mulher é inaugurado em Campina Grande

Na última quarta-feira (12), foi inaugurado no bairro do São José em Campina Grande, o Centro de Referência Estadual da Mulher Fátima Lopes objetivando atender, de forma especializada, mulheres de toda a região vítimas de violência, atendimento que se dará com equipe multiprofissional que inclui assistentes sociais, psicólogas e advogadas.

O Centro foi inaugurado pelo governador Ricardo Coutinho e recebeu nome em referência à defensora pública Fátima Lopes, morta em acidente automobilístico no ano de 2010 em João Pessoa e, durante o evento, sua filha Carol Lopes agradeceu a homenagem.

Participando do Programa Domingo Rural deste domingo(16/12) e Programa Universo Rural da última sexta-feira(14/12) a coordenadora do Centro de Campina Grande Isânia Petrúcia Moteiro Frazão, Tucha(foto), falou sobre a importância daquele equipamento instalado no Compartimento da Borborema enquanto instrumento de reforço na questão das mulheres vítimas de violência que terão amplo atendimento a exemplo orientação para as diversas ações a partir das ocorrências de violências, trabalhos com assistes sociais, advogadas, orientadoras educacionais dentre outras. “Já está sendo procurado, as mulheres estão vindo dizendo que ouviram e ou viram passando no jornal, então a procura está sendo feita através da divulgação, então a partir também dessa comunicação feita por você eu quero dizer a todas as mulheres que o Centro já se encontra aberto , que elas podem buscar os nossos serviços, que aqui elas vão estar sendo atendidas e orientadas a fazer o necessário em relação a violência contra a mulher”, explica Petrúcia que é irmã de Isabela Pajuçara, uma das mulheres assassinadas no caso que se tornou conhecido nacionalmente como o ‘estupro coletivo’ de Queimadas. Ela explicou que as pessoas interessadas devem, fazer contato na Rua Pedro I, 558, próximo a Faculdade de Comunicação Social da UEPB e ou ligar para o 8624 7179.

Mary Help Ibiapina Alves é componente da ONG Centrac e do Grupo de Estudos de Gêneros Flor e Flor da UEPB, e, ao ser entrevistada no Programa Domingo Rural, falou da importância do novo equipamento e disse ser de grande importância já que está sendo grande o número de mulheres de Campina Grande e região que estão em busca desse tipo de serviço. “Esse Centro de Referência pode ser a porta de entrada para as mulheres em situação de violência, então ele tenha um atendimento de forma integral com atendimento psicológico, um atendimento jurídico, um atendimento social, então a mulher que ingresse no Centro de Referência ela vai ter toda essa parte de sua vida respaldada, mas ele é também um serviço que referencia para outros serviços, então o Centro de Referência ele tem que estar muito bem articulado e trabalhando em rede com os demais serviços que compõem a rede de atendimento as mulheres em situação de violência que são: a Delegacia da Mulher, Juizado especializado de violência contra a mulher, a saúde de uma forma geral, os serviços de referência para a violência sexual, então todos esses serviços que compõem a rede o Centro de Referência tem que ter uma visão muito clara e muito homogênea de como vai tratar as mulheres para que essa articulação em rede seja efetiva, porque só com ela é que as mulheres serão bem atendidas e terão seu atendimento integral garantido”, explica Help ao dialogar com os ouvintes da Rádio Serrana de Araruna AM 590 e Rádio Bonsucesso de Pombal via Programa Domingo Rural.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top