Chefe de Gabinete de prefeitura lamenta por Campina Grande não ter secretaria municipal de agricultura

A cidade de Campina Grande é tida como um dos principais centros tecnológicos da Paraíba e do Nordeste e tem tido papel histórico enquanto porta de entrada e de saída de produtos agrícolas e industrializados a exemplo do produto do algodão e do sisal até o início dos anos de 1980.

Para o chefe de gabinete da prefeitura de Campina Grande, Hermano Nepomuceno(foto), um fato que tem chamado a atenção geral é o município, mesmo com sua importância e reconhecido papel para toda a região, não ter uma secretaria municipal de agricultura que seria responsável por importantes ações para o desenvolvimento do município e de toda a região.

Entrevistado no Programa Domingo Rural deste domingo(28 de março), Nepomuceno falou sobre a importância da cidade para toda a região e quando se trata de agricultura, a cidade é tida como referência para diversos municípios e microrregiões de todo o estado. “Infelizmente quando o prefeito Veneziano assumiu a gestão de Campina Grande em 2005, nós tivemos felizmente a vitória para a eleição majoritária, mas infelizmente na eleição proporcional o prefeito ficou em grande minoria na Câmara municipal, e você sabe que num sistema presidencialista como o nosso, sistema de governo presidencialista representativo, o executivo precisa ter uma base de apoio no legislativo para puder aprovar as leis, para puder aprovar seus projetos, quando o executivo é minoritário no legislativo, se esse legislativo adotar uma posição de oposição total, ele pode barrar a aprovação de projetos, pode barrar aprovação de leis e infelizmente foi isso que aconteceu”, relata aquela autoridade em dialogo com a equipe Domingo Rural ao informar que a prefeitura campinense só dispõe de uma coordenadoria de agricultura. “O que nós temos em Campina Grande é uma coordenadoria rural, uma coordenadoria de agricultura, mas um coordenador ele não tem o status do secretário, ele não é ordenador de despesa, ele depende da ordenação de despesas de um superior seu que é um secretário, então Campina Grande com três distritos grandes, com a larga população com interesses na área rural não pode ter uma secretaria de agricultura que articule isso e traga mais projetos”, argumenta Nepomuceno, dizendo que com uma secretaria de agricultura o município terá as condições de implementar e aproveitar melhor programas e projetos a exemplo do Pronaf, PAA dentre outros programas e projetos ofertados pelo Governo Federal para a agricultura familiar campinense.

Ao dialogar com os ouvintes das emissoras parceiras ele informou que, só no ano passado, por falta da criação da secretaria de ciência e tecnologia, o município perdeu empréstimos do BNDES autoridade pelo presidente Lula no valor de três milhões de reais destinados a compra de tratores, máquinas agrícolas, retro-escavadeiras dentre outros equipamentos e máquinas pesadas com sessenta meses para pagar, um ano de carência, um ano de garantia dentre outras vantagens.

Ele aproveitou para pedir o apoio ao público em geral no sentido de sensibilizar o legislativo campinense no sentido de que ações dessa natureza sejam possíveis. “Resta a sociedade campinense porque Campina Grande não é apenas ela, Campina Grande é todo o Compartimento da Borborema, toda essa região que se articula, convive harmoniosamente com os interesses de Campina Grande, é esperar que os movimentos sociais, que os movimentos alternativos que as entidades e agências civil, que o movimento empresarial, movimento de trabalhadores e enfim cobrem do legislativo de Campina Grande, de quem detém a maioria”.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Compartilhe se gostou

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top