Cooperativas do agro paraibano cobram ações do governo estadual pra viabilizar produção e abastecer mercado diante do Covid-19

Representações dos diversos segmentos cooperativos do ramo agropecuário do estado da Paraíba, preocupadas com a falta de ações por parte da Secretária do Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca(SEDAP) e da Secretaria de Agricultura Familiar e Desenvolvimento do Semiárido(SEAFDS), mediante a chegada pandemia do novo coronavírus, estão em plena movimentação para preparar a cadeia produtiva no sentido de abastecer mercados consumidores isolados socialmente como forma de evitar a difusão da doença e o desabastecimento.

De um lado a sociedade e programas sociais importantes já passam a se desabastecer e por outro a agricultura familiar e os setores produtivos do meio rural já iniciam acumulação de suas linhas de produtos alimentícios já que as medidas de contenção da doença na sociedade limitam o processo, levando o coletivo das cooperativas a lançarem uma Nota Pública ao governador João Azevedo propondo medidas urgentes para evitar colapsos de abastecimento em ambas partes, rural e urbano, além de políticas públicas que fortaleçam o processo da geração de emprego e renda no meio rural. “Outro ponto interessante é a questão do crédito, as cooperativas e os produtores precisam de crédito porque ficaram descapitalizados porque já vinha de um processo de descapitalização e agora eles sem capital, precisando de insumos e o comércio um tanto parado, diminuiu muito a comercialização, os segmentos estão perdendo sua produção no campo porque não está tendo a comercialização, as cooperativas não estão podendo pegar os produtos dos cooperados porque já têm seus estoques cheios e na outra ponta não tem como comercializar pra tirar esse estoque para o mercado, então está tendo um grande prejuízo dentro do setor e nossa preocupação é que a gente não viu até o presente momento ação das secretarias de Agricultura do Estado pra buscar diálogo com o setor agropecuário, tanto o pequeno, o médio, a agricultura familiar e nem falo tanto dos grandes porque eles já têm vida própria”, explica o secretário do Coletivo das Cooperativas Agropecuárias do Estado da Paraíba, Wendel José de Lima Melo, justificando o lançamento da Nota Pública ao governador João Azevedo e explicando a urgente necessidade de se criar o Comitê Agropecuário de Alternativas ao novo coronavírus.   

NOTA PÚBLICA AO GOVERNADOR JOÃO AZEVEDO E À SOCIEDADE PARAIBANA

Nós, Cooperativas Agropecuárias da Paraíba, que representamos centenas de produtores rurais em nosso estado, gerando emprego e renda no campo e na cidade, e, sobretudo, contribuindo com a soberania e segurança alimentar dos paraibanos estamos tornando público o nosso descontentamento pelo abandono que o setor agropecuário vem sofrendo há muitos anos por falta de política de Governo, potencializado e agravado neste momento de crise na guerra contra o COVID19.

Nesse momento, quem deveria assumir a liderança nas ações para o setor agropecuário, buscando formas de contingenciar e mitigar seus efeitos, seriam os gestores da Secretária do Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca – SEDAP, e da Secretaria de Agricultura Familiar e Desenvolvimento do Semiárido – SEAFDS. Contudo não é o que acontece, agora.

Eles, simplesmente, sumiram, deixando o setor à deriva. Desde o início desta crise não se manifestaram para nada. Sequer se reuniram com os representantes das entidades do setor produtivo, a exemplo da FAEPA/SENAR, OCB/SESCOOP, Secretários Municipais de Agricultura, CONAB e os representantes das Cadeias/Arranjos produtivos do estado.

Somos um setor essencial, pois com o nosso trabalho de produção, beneficiamento, distribuição e comercialização de alimentos, estamos na retaguarda no combate do coronavírus, alimentando e nutrindo a população.

Desta forma, fica aqui registrado o nosso repúdio contra esses gestores que se ausentam de suas funções públicas.

Essa crise veio comprovar o quanto o nosso setor é desvalorizado, desassistido, não priorizado e sem planejamento efetivo.

Diante da ausência do Estado, da inércia dos gestores dos órgãos competentes, e da urgência que o momento exige, sugerimos:

 Criação imediata de um Comitê Gestor de Crise para o seguimento agropecuário, composto pelas secretarias de agricultura do estado (SEDAP e SEAFDS), Secretaria Executiva de Segurança Alimentar e Economia Solidária — SESAES, Federação de Agricultura do Estado da Paraíba-FAEPA, Organização das Cooperativas Brasileiras – OCB/PB, representantes das cadeias/arranjos produtivos do estado (avicultura caipira, bovinocultura leiteira, caprinovinocultura, fruticultura, apicultura, horticultura etc.), Associação/Sindicato de Transportadores de Cargas, Associação de Supermercados da Paraíba, bancos de fomento, Cooperativas Agropecuárias e de crédito;

 Criação do plano de contingenciamento com definições de ações para:

 Liberar Crédito Emergencial para aquisição de insumos e capital de giro;

 Garantir a aquisição e distribuição dos insumos;

 Criar acordo de comercialização com setor privado para aquisição de produtos de cooperativas agropecuárias do estado;

 Ampliar as compras governamentais dos programas PNAE, PNPS/PAAS, PAA-CDS, PAA-Leite e Rede Hospitalar, através das cooperativas;

 Zerar os impostos para a comercialização dos produtos agropecuários produzidos pelas cooperativas agropecuárias paraibanas;

 Renegociar as dívidas com o EMPREENDER-PB, zerando os juros e multas, e parcelando em até 10 anos o saldo devedor; e

 Realizar uma ampla reforma no setor agropecuário do estado, com a fusão das secretarias de agricultura, e colocando gestores técnicos, com amplo conhecimento e vivência no setor, com aval do setor produtivo do estado.

É nas crises que aprendemos grandes ensinamentos e, também, onde os verdadeiros lideres surgem.

Diante do exposto, solicitamos ações urgentes.

Campina Grande, 30 de março de 2020

COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS DA PARAÍBA

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top