Cooperativismo em avicultura caipira evidencia ações e resultados superativos na Paraíba

A prática do cooperativismo vem ganhando vida em diversos segmentos da economia no Estado da Paraíba a exemplo da agricultura familiar que vem intensificando a criação da avicultura caipira como forma de diversificar a os sistemas agroalimentares no território da Borborema e municípios de territórios adjacentes.

O tema foi evidenciado através de palestra da representante da Copaf, Cooperativa Paraibana de Avicultura e Agricultura Familiar, Kaellyne Aires Bento de Alencar, durante o recente encontro envolvendo Projetos de Desenvolvimento Territorial do BNB de quatro estados do Nordeste.

Bento de Alencar explicou que a cooperativa surgiu a partir de um grupo de agricultores familiares que resolveram se formalizar através de uma associação, no início dos anos 2000 e, em seguida, se organizaram em forma cooperada através da Copaf buscando fortalecer o sistema integrado de produção e ao mesmo tempo legalizar a busca de mercados para o produto. “Então foi no ano de 2008 que a Copaf foi fundada com essa finalidade de melhorar a produção, de agregar valor ao produto através de um beneficiamento e da comercialização dos produtos desses cooperados, trazendo uma maior qualidade no produto, maior lucratividade e uma sustentabilidade dessa atividade”, explica detalhando um conjunto de informações sobre aquela empresa cooperativada a exemplo de sua localização, ações territoriais de produção junto a agricultura familiar, mercados conquistados dentro e fora do estado, dentre outras. “A gente hoje conta com 180 cooperados distribuídos em vários municípios da Paraíba, em torno de 26 municípios, e através da cooperativa é que a gente conseguiu alavancar esses objetivos de comercialização que é a razão de existir de uma cooperativa, então foi construído com recursos próprios o entreposto de ovos que inicialmente começou com a produção dos ovos caipira e futuramente a gente conseguiu, através do apoio do Governo do Estado da Paraíba, junto ao Banco Mundial, através do Projeto Cooperar, conseguiu recursos pra fazer a construção do abatedouro”, reforça aquela representação sobre o empreendimento cooperativo situado na cidade de São Sebastião de Lagoa de Roça, no Agreste paraibano.

Durante o encontro com representações da PB, RN, MA e BA, aquela representante falou sobre outras conquistas que ampliam as possibilidades de sucessos a exemplo da conquista dos SIFs Estadual e Federal que permitem a comercialização dos produtos alimentícios dentro e fora do Estado da Paraíba. “Isso proporcionou a gente ter a segurança na comercialização, porque como a gente trabalha com proteína animal a gente só conseguiria comercializar, tanto no mercado privado como no mercado institucional, esses produtos com certificação sanitária”, explica enumerando um conjunto de entidades apoiadoras para as conquistas como OCB/Sescoop-PB, Sebrae, BNB, universidades, Empaer dentre outras.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top