Deputado paraibano pede intervenção do Ministério Público Federal contra retirada de areia no rio Mamanguape

O deputado estadual, líder da bancada do PT, Frei Anastácio (PT) disse hoje na última terça-feira(11), que entrou com representação no Ministério Público Federal, pedindo a apuração da atuação de empresas que estão retirando areia do rio Mamanguape, de forma predatória dentro e áreas de assentamentos da reforma agrária, sem autorização do INCRA.

Segundo a assessoria daquele parlamentar, o deputado disse que as empresas responsáveis pela extração de areia no rio Mamanguape são a Ítala Adalgisa Alves Agra, no trecho do assentamento José Horácio, e a Empresa Areial Alagoa grandense e que ainda existe uma terceira empresa sem identificação, no trecho do assentamento Margarida Maria Alves II, evidenciando que a extração de areia no leito do rio está sendo feita com o uso de dragas de sucção posicionadas em balsas. “O deputado relatou que a areia extraída está sendo depositada em área de Preservação Permanente e no próprio leito do rio, dentro dos assentamentos da reforma agrária”, explica aquela assessoria.

Aquela assessoria informou que Frei Anastácio também realizou pronunciamento externando a preocupação com os rendimentos dos trabalhos da Assembléia Legislativa, diante de um ano eleitoral e prometeu se esforçar para contribuir com o bom andamento da produção legislativa. O líder do PT na Assembleia entende que as sessões ordinárias devem ocorrer de maneira a permitir o fluxo regular dos trabalhos legislativos. Ele prevê que muitas serão as matérias de interesse da sociedade paraibana que irão precisar de pareceres, de debate e votação em plenário, entre outros atos legislativos”, explica.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top