Famílias agricultoras com novas ações em barragens subterrâneas se reúnem em Santo André

Famílias agricultoras do Coletivo Regional de Educação Solidária do Cariri, Seridó e Curimataú que já estão contempladas com barragens subterrâneas dentre outras ações de suporte hídrico estarão reunidas durante dois dias na comunidade Malhada Alegre de Santo André, Cariri da Paraíba.

O encontro acontecerá na próxima terça e quarta-feira(27 e 28 de julho) e contará com representações de entidades diversas do Coletiva e do PATAC e teve o s preparativos discutidos na última segunda-feira(19) na sede do PATAC, em Campina Grande com participação de técnicos e animadores das entidades finalizando as ações a serem trabalhadas no encontro.

Ao dialogar com Domingo Rural, o representante do PATAC, Antônio Carlos Pires de Melo, Tonico, falou sobre o processo de mobilização que vem se desenvolvendo para o processo de produção agrícola dos equipamentos hídricos em novas unidades rurais de toda aquela região garantindo que o projeto Uma Terra e Duas Águas, P1+2 vem em pleno crescimento. “Eu acho que as organizações da sociedade civil, as famílias agricultoras, a partir de suas experiências, elas estão se apropriando dessa proposta de que as grandes obras elas têm o seu lugar e sua importância, mas o mais importante para beneficiar as famílias agricultoras é você diversificar essas formas de estocagem de manejo da água nas propriedades o máximo possível a água disponível no seu caminho, tendo uma produção agroecológica no consumo da família pra comercialização do excedente, então todas essas iniciativas que você multiplica essas pequenas estruturas hídricas como a barragem subterrânea, cisternão, um barreiro, um tanque de pedra comunitário você viabiliza uma melhor qualidade de vida na segurança alimentar, renda para as famílias agricultoras”, explica aquele assessor, acrescentando que são anos de poucas chuvas como 2010 que as famílias da região estão percebendo o diferencial de quem tem uma propriedade rural estruturada com tecnologias apropriadas quando comparadas com aquelas famílias que não estão num processo de capacitação de convivência com o semiárido regional. “Esse momento é um momento difícil porque o estoque de água está comprometido, mas mais difícil é pra quem não estocou água, pra conviver aqui na nossa região a gente precisa estocar a água das mais diversas formas no período de inverno, mesmo com pouco inverno, pra dispor da água em momentos como esse. Então esse é um momento que a gente comprova a eficácia de iniciativas como essas em que se estocou água e maneja a água de forma econômica. Por exemplo, se você tem os barreiros e tem pouca água, aproveita primeiro a água dos barreiros, depois água do cisternão que está próximo de casa, quem tem uma barragem subterrânea demonstra o impacto de você produzir mesmo em período como esse inclusive o milho, o feijão, a hortaliça, fruteiras, então vamos está divulgando, os próprios agricultores estão divulgando entre si através dos meios de comunicação o impacto positivo que tem essas implementações”.

Outro entrevistado por Domingo Rural, assessor do Coletivo, Rodrigo Campos de Morais falou sobre a importância do encontro do dia 27 e 27 e garante representa um espaço de continuação do processo de formação das famílias beneficiárias do P1+2 via barragens subterrâneas que, apesar de terem sido construídas a pouco tempo, estão sendo aproveitadas de forma bastante racional na forma da utilização dos recursos hídricos já acumulados onde será feito uma troca de experiência sobre como está sendo usado esses materiais e equipamentos além de se trabalhar sobre os resultados que estão sendo alcançados. “Tem muito o que ser mostrado. O nosso processo de vivência e convivência na região é um pouco disso do que está sendo feito, do que a gente espera que seja feito, as dificuldades e os avanços. Esse é o que dar o direcionamento no trabalho da continuidade na nossa região”.

Aléx Barbosa dos Santos é mobilizador social na região, mora em Santo André, e fala sobre como será esse encontro de malhada Alegre na terça e quarta-feira(27 e 28 de julho). Vai ser um momento pra nós que estamos a frente do P1+2 da formação desses agricultores na produção agroecológica das barragens subterrâneas tendo em vista que agora nós estamos encaminhando, tanto para as barragens subterrâneas como também para as cisternas calçadão, a questão da produção agroecológica nos arredores e na produção dessas barragens subterrâneas pra questão animal e pra questão familiar”, explica aquele jovem agricultor mobilizador, garantindo que será um momento de compartilhamento prático de experiências que equipamentos que já estão prontos e a partir daí será observado os potenciais de produção e quais as necessidades a serem implementadas para que a produção seja intensificada conforme a oferta hídrica na unidade familiar rural. “E a gente vê que essas famílias estão valorizando o que antes elas não conheciam e agora a gente vê a demanda de novas famílias querendo produzir, querendo uma barragem subterrânea porque vale a pena a dá certo pra o Cariri e pra região semiárida”, explica Aléx sem perder a oportunidade para fazer um convite forte para a participação das famílias no encontro de dois dias. “O recado que se deixa é que realmente vale a pena investir nessa questão da produção agroecológica e na questão da barragem subterrânea e aqueles que irão participar, que já estão mobilizados, nós já estamos viabilizando os transportes para que eles estarem lá nesses dois dias, a questão da alimentação, de hospedagem e Santo André está pronto a receber não só eles mas quem quiser participar juntamente com a gente desse momento de formação”.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Compartilhe se gostou

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top