Feira da agricultura familiar completa 15 anos com venda direta ao consumidor de Campina Grande

A FEAGRO, Feira do Produtor Rural, está completando 15 anos de existência neste mês de julho e para comemorar os feirantes agricultores e agricultoras familiares de diversos municípios do Compartimento da Borborema fizeram a festa na manhã desta sexta-feira(29/07) num evento matinal com um café comemorativo na Pirâmide do Parque do Povo, Centro de Campina Grande, também comemoraram a passagem do Dia do Agricultor e trabalharam o lançamento de uma campanha contra os agrotóxicos, momento em que representações de instituições diversas estiveram presentes desde a coordenação da Emater ao Governo do Estado.

style=FONT-FAMILY: ?Arial?,?sans-serif?; FONT-SIZE: 10pt>A Feira é uma criação da Emater Regional Campina Grande, com ações desenvolvidas a partir das famílias que são assistidas pelo acompanhamento técnico e social daquela instituição de extensão rural e conforme o atual coordenador, style=FONT-FAMILY: ?Arial?,?sans-serif?; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: ?Times New Roman?; mso-fareast-language: PT-BR>José Sales Alves Wanderley Júnior, a feira tem um histórico de serviços prestados a comunidade campinense com oferta de produtos de qualidade, preços compatíveis e um processo de convivência onde o consumidor campinense conhece de perto a forma como as famílias desenvolvem sua agricultura diretamente no campo. “A avaliação que nós temos enquanto Emater Regional de Campina Grande é que a FEAGRO está se consolidando com seus 15 nos de existência como espaço de comercialização forte e pra está durante todo esse tempo já constituída é sinal que ela tem boas experiências a serem mostradas enquanto espaço de comercialização dos agricultores, como espaço que vem sendo construído a partir do fortalecimento das assessorias também como é o caso da Emater e de outras organizações e isso é o espaço dos agricultores”, explica aquele extensionista ao dialogar com Stúdio Rural, garantindo que a perspectiva é de possibilidade de bons lucros em tempos futuros próximos já que as reservas hídricas estão com acúmulo de água em alta, lamentando que diversas barragens tenham estourado em municípios da região o que representará falta nos meses de seca.

style=FONT-FAMILY: ?Arial?,?sans-serif?; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: ?Times New Roman?; mso-fareast-language: PT-BR>Antônio Venâncio de Moura é extensionista da Emater e coordenou a feira e a instituição por diversas vezes ao longo desse processo, ao ser entrevistado pela equipe Stúdio Rural disse que é visível a mudança na qualidade de vida das famílias agricultoras componentes daquele espaço(Clique e leia). “Nós vendemos cerca de sete toneladas de produtos por semana, trinta toneladas de produtos por mês e temos nossos agricultores aqui que quem cultivava um hectares está cultivando três, está alugando terras para puder cultivar já q terra dela já está se tornando pequena”, explica Venâncio de Moura, lembrando que muitos produtores já estão produzindo de forma orgânica e que a meta é continuar conscientizando sobre a importância de se fazer um trabalho de produção sem uso de venenos na agricultura familiar.

style=FONT-FAMILY: ?Arial?,?sans-serif?; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: ?Times New Roman?; mso-fareast-language: PT-BR>Joacir José Pereira é agricultor pecuarista no município de Pocinhos, Cariri paraibano, participa da feira desde os primeiros momentos, vende carne de caprinos e ovinos, leite de cabra e vaca e garante que a feira fez com que a margem de lucro seja positiva em favor dos produtores rurais e produtos com preços acessíveis ao consumidor de toda a região. “Tenho uma avaliação muito positiva, é uma feira maravilhosa, essa feira foi pra nós um resgate de nossa identidade, é uma da gente sair das mãos do atravessador e tenho essa feira como uma bênção em minha vida, penso que minha vida renasceu ao participar dessa feira”, explica aquele produto ao falar da linha de produto ofertado todas as sextas-feiras naquele espaço comercial. “Eu tenho mantido aqui o bode, o caprino e ovino com carne, a buchada temperada, com leite de vaca, leite de cabra que são meus produtos prediletos”.

style=FONT-FAMILY: ?Arial?,?sans-serif?; FONT-SIZE: 10pt; mso-fareast-font-family: ?Times New Roman?; mso-fareast-language: PT-BR>Américo Barbosa é fruticultor no Sítio Geraldo de Alagoa Nova, Brejo paraibano, vende os produtos naquele espaço comercial e garante que a linha de gêneros trazidos ao mercado somam para uma ampla composição de produtos que fazem a sesta básica da família campinense. “Pra mim tem muita importância porque aqui é aqui que arrumo muito conhecimento, freguês bom e a gente vende o que tem no sítio, tudo natural a banana, a laranja, caju, mamão, maracujá tudo a gente tem natural”, relata Barbosa acrescentando que outros fatores importantes da feira é que as famílias conseguem fazer toda a venda a preços justos e recebem a vista.

style=FONT-FAMILY: ?Arial?,?sans-serif?; FONT-SIZE: 10pt>Fonte : Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top