Nova cooperativa na Borborema é destaque no Domingo Rural e Esperança no Campo

As entidades da agricultura familiar e famílias agricultoras agroecológicas da região da Borborema, na Paraíba, cumpriram mais uma importante meta para o fortalecimento do território agroecológico com a criação Cooperativa Borborema que ganha a marca CoopBorborema.

Criada no mês de janeiro último, a cooperativa que já tem quadro de sócios e diretoria passa a fazer parte da vida da agricultura familiar agroecológica de todo o Estado da Paraíba abrindo caminhos para que a grande variedade dos produtos agroecológicos do território se amplie nas redes de mercados agroalimentares.

Presidenta da mais recente cooperativa e componente da coordenação política do Polo da Borborema, Maria Gizelda Bezerra Lopes participou do Programa Domingo Rural do domingo(28/02) e Esperança no Campo no decorrer desta semana explicando que a cooperativa terá a missão de dialogar com as várias formas de mercados para vender os produtos da agricultura familiar de forma direta nos espaços de consumo direto, fortalecendo a renda das famílias a partir do processo de agregação de valor aos produtos do campo a exemplo da diversidade da fruticultura além de ampliar o trabalho de venda das sementes crioulas e seus produtos, também chamadas de sementes da paixão. “Dia 26 de janeiro foi um dia muito especial pra gente que criamos a Cooperativa da Agricultura Familiar Camponesa do Polo da Borborema que é a CoopBorborema”, explica dizendo que a nova entidade também fortalecerá as ações continuadas que já vêm em desenvolvimento dentro das dinâmicas pela sustentabilidade regional.

Giselda explicou que as entidades têm identificado a necessidade de criar processos estruturantes para o beneficiamento da diversidade produtiva para o melhor aproveitamento dos produtos alimentares para a segurança alimentar das famílias agricultoras e oferta do excedente aos mercados consumidores. “Nesse processo de 25 anos de luta da agroecologia aqui no Território da Borborema criamos várias formas de vender o excedente da produção porque os agricultores e agricultoras foram diversificando e aumentando a produção, então primeiro veio as feiras, depois as quitandas agroecológicas e também precisávamos acessar as políticas públicas, mas também de como armazenar os alimentos, principalmente as frutas que muitas têm tempo limitado, então a cooperativa tem esse objetivo da gente fortalecer os processos de produção, armazenamento da produção a partir do beneficiamento da produção pra cada vez mais armazenar e fornecer nos mercados de diversos lugares com produtos saudáveis pra sociedade que precisa se alimentar bem com alimentos sem venenos, mas também produzido com carinho e solidariedade”, explica ao dialogar com nosso público ouvinte.        

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top