Representante de Ministério diz que manejo florestal terá recursos para novos projetos na Paraíba

Projetos propositivos desenvolvidos por organizações sérias e que tenham clareza em suas propostas no processo de manejo florestal sustentável que venha fortalecer o desenvolvimento da região semiárida terão apoio do Governo Federal através de diversos fundos financeiros e não-reembolsáveis.

A afirmativa é do chefe da Unidade Regional Nordeste do Serviço Florestal Brasileiro vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, Newton Duque Estrada Barcellos(foto direita), ao dialogar com os ouvintes do Programa Domingo Rural deste domingo(09/10), momento em que falou sobre os trabalhos que estão sendo desenvolvidos no Estado e região numa parceria com a ONG SOS Sertão e garante que a partir das experiências já em curso, diversas outras propostas e projetos tendem a aparecer na busca de apoio do governo e entidades parceiras. “Nós queremos exatamente isso, com a tua ajuda, se você puder nos ajudar divulgar isso e aí passe meu telefone, passe que tenho um monte de oportunidades para a caatinga, fundos financeiros não-reembolsáveis e tem muito dinheiro para a caatinga, no Fundo Nacional do Meio Ambiente, Fundo Clima, Fundo Socioambiental da Caixa Econômica, o próprio Serviço Social Brasileiro que em 2012 vem pra valer é o Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal que tem dinheiro para não madeireiro, por exemplo recuperação ambiental, restauração da floresta e aí a própria exploração da florestal, então temos muito dinheiro, dinheiro a partir de 2012, por causa das mudanças climáticas, não vai faltar não. O que a gente vai precisar é de uma boa assistência técnica para ajudar a executar esses projetos em cooperação com os agricultores”, explica Newton ao dialogar com os ouvintes das emissoras parceiras de Domingo Rural.

Aquele representante governamental disse que os projetos em execução no estado já dão demonstração de que o modelo sustentável das florestas mostra viabilidade e ao mesmo tempo está mais claro de que a lenha representa importante instrumento energético para industrias, padarias dentre outras que continuarão demandando material madeireiro que só poderão ser explorados dentro de um manejo sustentável que tenha assistência e acompanhamento técnico com presença permanente de órgão de governos e da sociedade civil organizada. “Continuo muito satisfeito, é a segunda semana, nós nos encontramos na semana passada numa experiência muito positiva e acho que nessa agora a gente uma outra. Na semana passada conversamos com o Edgar, agora conversamos com o Zé de Luzia e a gente vê no depoimento deles que eles estão conscientes de que estão trabalhando com recurso natural dessa vez de forma sustentável, legalizada e dando, inclusive, oportunidades para companheiros amigos do próprio assentamento, está todo mundo ganhando um dinheirinho aí e acho que estou muito satisfeito e é aquilo que falei no encerramento no assentamento: a gente não pode deixar de continuar ajudando esse pessoal, agora que descobrimos juntos que o caminho é por aí, a gente não pode deixar de ajudar, e principalmente agora que vamos ter muito a ajuda sua na divulgação maciça dessa informação, mais um motivo da gente fazer certo, porque agora muita gente, por causa da tua ajuda, vai ficar olhando para essa experiência e a gente não pode decepcionar as pessoas. Então mais agora que a gente precisa ajudar a SOS Sertão e mais que eu disse lá no encerramento de Picuí aqui na semana passada, a gente tem que dar oportunidades pra criar novas entidades de assistência técnica nessa área ambiental para os agricultores, não é só ficar naqueles projetos do Pronaf que é importante, mas é muita agricultura, muita pecuária. E o meio ambiente, vem depois? Não, vem juntos, vamos trabalhar juntos, então precisamos descobrir e ajudar a criar mais SOS Sertões da vida, outras ONGs com biólogos, com agrônomos, com os técnicos, com o pessoal de agroecologia pra dar uma assistência mais apropriada para os agricultores”, explica Barcellos.

Fonte : Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top