TV Paraíba evidencia colheita do algodão agroecológico em cidade do Cariri paraibano

“O algodão agroecológico se transformou em fonte de renda para famílias da zona rural do município de Soledade, este ano os agricultores devem produzir cerca de oito toneladas do produto”, esse foi o argumento inicial da matéria apresentada pela TV Paraíba no último dia 17 de outubro, fazendo referência a colheita que está sendo organizada pela família do agricultor Antônio Bento e a esposa Maria do Socorro Barbosa, residentes na comunidade Lajedo do Timbaúba, município de Soledade.

Em fase de colheita, a família está organizando a colheita da safra 2008 numa área de 08 hectares do algodão BRS 8H da Embrapa e que está chegando ao final com o desafio positivo de produzir sem o uso de venenos e produtos agroquímicos que impactem a saúde da família, dos trabalhadores e do meio ambiente.

Ao dialogar com a equipe da TV Paraíba a família explica sobre como fazer para produzir num clima de harmonia entre os insetos com práticas sustentáveis que evitem que se transformem em pragas, garantindo que o manejo correto do solo, a estratégia de plantio em épocas apropriadas capazes de contrariar o comportamento do bicudo associados ao plantio consorciado com variados tipos de culturas destinadas ao alimento da família e dos animais são fundamentais para a produção agroecológica. A família explica que o plantio do algodão é feito de forma consorciada com capim elefante, gergelim, amendoim, coentro dentre outras culturas que têm a função de evitar a sobrevivência e ou evitar o ataque dos insetos com baixas econômicas.

Em contato com a equipe Stúdio Rural o agricultor Antônio Bento disse que o algodão veio para somar com os produtos que já são plantados na agricultura familiar e que com o apoio das entidades de agricultores está sendo mais fácil tornar visível as ações e os produtos de interesse do mercado de consumo, evidenciando a importância do trabalho feito pelos meios de comunicação. “Dá um incentivo muito grande porque várias pessoas estão assistindo e estão vendo que a cultura do algodão vai voltar á Paraíba como foi antes já que o nosso Cariri já foi um pólo algodoeiro, hoje por causa do bicudo há uns dez anos mais ou menos ninguém planta mais o algodão, mas com esses incentivos eu acho que de agora em diante nós vamos conseguir plantar novamente”, argumenta o agricultor ao comentar sobre a ida da televisão paraibana, momento em que falou sobre o papel das entidades de agricultores no estímulo a retomada.

Já a agricultora Maria do Socorro Barbosa, dialogou com a equipe de televisão e ao contatar com Stúdio Rural disse ser de fundamental importância a presença dos meios de comunicação, especialmente daquela TV, que rompendo com a distância tratou o assunto em seus mínimos detalhes mostrando ao público externo o que é possível fazer a partir da produção do algodão de forma limpa. “É muito importante porque antes se usava plantar algodão e ninguém nem sequer olhava pra ele, não dava valor, mas hoje o algodão está sendo muito valorizado porque tem várias empresas que já compram por ser ecológico, sem uso de veneno e é uma cultura que é fácil de trabalhar é uma cultura que não dá muito trabalho, não tem essa história, onde dando a primeira ou a segunda limpa já pode deixar prá lá que você vai colher ele”, argumenta Barbosa, acrescentando que o algodão é uma fonte de renda para pagar uma conta de final de ano além de manter a mão da obra em ação produtiva em quase toda a época do ano.

Para o agrônomo da ONG Patac, Emanoel Dias, com o trabalho que está sendo feito pelas famílias de agricultores com o apoio das entidades de agricultores vinculadas ao Coletivo Regional de Educação Solidária do Cariri, Seridó e Curimataú, pouco a pouco os meios de comunicação estão mais motivados em procurar os campos produtivos que estão mostrando ser possível de forma sustentável gerar emprego e renda de forma cada vez mais permanente no meio rural. “Foi importante, credibiliza as ações na região e também divulga o trabalho que vem sendo desencadeado e assumido muito fortemente pelos agricultores e agricultoras na região do Cariri com a reintegração do algodão agroecológico nas áreas da agricultura familiar.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Compartilhe se gostou

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top