Universo e Domingo Rural evidenciam seminário de reflexão sobre o Território da Borborema

Evidenciar as discussões apresentadas dentro do seminário ‘Refletindo sobre o Território da Borborema’ foi um dos objetivos alcançados pelo Programa Universo Rural e Programa Domingo Rural ao repassar informações trabalhadas a partir de entrevistas com componentes daquele território da cidadania.

O evento que aconteceu no último dia 18, em Lagoa Seca, e foi tema no Programa Universo Rural da quarta-feira (18/10) e Programa Domingo Rural deste domingo(21/10) provocou entrevistas com o professor da Universidade Federal de Campina Grande, Márcio Caniello, um dos promotores e debatedor do evento; com o articulador dos territórios no estado da Paraíba, Antonio Junio da Silva; e o prefeito da cidade de Arara, José Ernesto dos Santos Sobrinho.

Ao dialogar com os ouvintes das emissoras parcerias, o professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (UFCG/CH/PPGCS), Márcio Caniello, explicou que tratar-se da restituição de resultados de uma pesquisa nacional promovida pelo MDA através de edital e que está promovendo estudos sobre diversos territórios rurais brasileiros que estão sendo estudados detalhadamente com resultados da primeira fase já concluída e apresentada no encontro. Caniello garante que o trabalho da Célula de Acompanhamento e Informação da Borborema (CAI-Borborema/UFCG) continua seu trabalho de pesquisa sobre o desenvolvimento do da Borborema em consequencia da organização territorial. “A gente continua num processo de interpretação e análise destes dados já coletando as informações que aqui obtivemos, faço parte de um grupo de trabalho que está pensando nos próximos passos dessa pesquisa e a gente trabalha pra concluir essa pesquisa e também o processo de extensão onde a célula de acompanhamento de informação da Borborema tem prestado até acessória a coordenação do território e estamos aqui dispostos a interagir com o colegiado de maneira que realmente o colegiado possa ter uma vida longa, ter um desempenho melhorado, aprimorado e crescer mais e já estamos elaborando novos projetos onde estou orientando estudantes de doutorado e de mestrado sobre o território da Borborema e a dinâmica é essa de sempre interagir esse conhecimento que a gente produz na academia com o conhecimento na prática do agricultor de uma maneira que todos possam ganhar, tanto no desenvolvimento de novas tecnologias e principalmente na definição de rotas de desenvolvimento sustentável para os nossos territórios rurais”.

O articulador dos territórios paraibanos, Antonio Junio da Silva, ao ser entrevistado por Stúdio Rural, disse da importância do trabalho apresentado pelos componentes pesquisadores e debatidos pelos componentes territoriais. “Eu acho que ele revela as informações que já vinham sendo trabalhadas pelo Território da Borborema, mas agora elas aparecem a partir de um trabalho de pesquisa da Célula como dados que vão ser importantes pra se juntar com os que já vinham sendo trabalhados e é importante a gente lembrar que esse trabalho da célula é um trabalho de pesquisa com muitas informações com dados que são captadas em informações oficiais, mas tem muitos dados ainda que não estão nos dados oficiais e o diferencial é a gente puder trabalhar também com esses dados”, explica aquela liderança dizendo acreditar que os resultados superam os dados otimistas já apresentados sobre a qualidade de ganho dos municípios componentes do Território da Borborema.

O prefeito da cidade de Arara, José Ernesto dos Santos Sobrinho, ao ser entrevistado por Stúdio Rural, disse que o fórum territorial tem papel importante no desenvolvimento de cada microrregião e disse que lamenta a ausência de segmentos importantes dentro do território, mas afirma que Arara tem estado presente e tem tido resultados satisfatórios em recebimentos de ações das políticas públicas dos ministérios governamentais. “Eu diria que ser gestor público hoje é ter vocação para tal, no decorrer de 08 anos Arara conseguiu em convênios com o Governo Federal em torno de R$ 14 milhões de reais, então isso foi luta, isso foi correria da Arara à Brasília, de Brasília à Arara sem deixar de lado as lutas, empenhos e a presença na política territorial. Então é o que eu disse aqui: não é possível que eu vá a uma reunião só quando for pra assinar um convênio, mas deve-se ir também na hora de discutir as ações territoriais tanto para o município como para o território como um todo”, explica aquele gestor municipal.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top