Equipe da UFCG faz pesquisa sobre Novena de terno de Queimadas

Como proposta de Trabalho de Conclusão de Curso(TCC), estudantes do Curso de Arte e Mídia da UFCG, Universidade Federal de Campina Grande, estão marcando uma verdadeira temporada de estudos em comunidades do município de Queimadas a exemplo das capoeiras que faz uma das mais tradicionais novenas de terno daquele município e região, evento destinado ao santo São Sebastião e que acontece no dia 19 de janeiro de cada ano.

O grupo universitário é constituído dos estudantes do curso de Arte e Mídia da UFCG Kleriston Vital, Willams Lucian Belo Ramo e Renata Virgínia Marinho que, juntos, estão contribuindo com a construção da pesquisa que é destinada ao trabalho de Conclusão de Curso do estudante Willams Lucian Belo Ramo. “Como proposta do TCC lá de Arte e Mídia da UFCG eu tive a ideia de fazer uma exposição multimidiática onde ela passa pela história do Coco. Como eu sou daqui já conhecia dona Cema e já conhecia algumas pessoas, então tive a ideia de contar a história do Coco em três níveis: primeiro seria um documentário contando a história de todo o processo de como o Coco chegou aqui, de como é que ele se estabeleceu e como ele se sincretizou com o catolicismo popular que é incidente nas culturas populares daqui dessa região, a outra mídia é um disco musical onde vai contar as músicas do Coco e a outra mídia é a fotografia onde a gente vai trabalhar também um ensaio fotográfico tentando contar essa história e essas três mídias se comunicam uma com as outras numa exposição que vai acontecer em março na UFCG”, explica dizendo que durante o processe vem tentando falar da passagem do Coco, de como as pessoas passam por essa cultura e como a cultura é passada para as pessoas enquanto instrumento de comunicação da história da própria comunidade.
Ele disse que está em fase de apanhado das informações bem avançada, numa dialógica com a comunidade envolvida no processo cultural e garante ser uma experiência enriquecedora. “Deu pra perceber que essas pessoas têm o Coco como uma propriedade identitária da cultura deles”.
Aquele estudante explicou que a preservação da cultura daquele município vai depender da capacidade da sociedade civil, acadêmica e parceiros em repensar a realidade atual no que diz respeito a inclusão dessas culturas nas políticas públicas governamentais e garante ter percebido que as forças políticas locais trabalham a política enquanto instrumento de concentração de valores econômicos e pessoais, deixando de fora a construção dos valores essenciais coletivos. “A identidade de Queimadas hoje passa muito por questões políticas pessoais do que por questões culturais, a identidade de Queimadas vem se perdendo, hoje o queimadense não discute mais seus valores identitários culturais regionais. Ele está mais preocupado em discutir questões políticas de sobrevivência nas cidades, onde a zona rural respira muito mais cultura do termo simbólico do que as pessoas do centro urbano”, explica dizendo perceber um nicho de possibilidades transformadoras da sociedade a partir das vivências culturais e busca de inclusão de políticas pública na construção da cultura.
Fonte : Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top