Escola Rural de Caturité realiza mostra inédita de atividades pedagógicas

O município de Caturité no Cariri Oriental paraibano sediou importante evento de exposição da I Mostra Pedagógica da Escola Rural daquele município em evento que aconteceu na última sexta-feira(20) na Escola Municipal Antônio Trovão e que contou com a presença de pais e mães de alunos, estudantes componentes da Escola Rural, autoridades e educadores.

Durante toda a manhã daquele dia foi feito exposição de experiências práticas educativas desenvolvidas pelos alunos e educadores daquela casa educativa que integram as tradicionais matérias á disciplina de técnicas em agropecuária, fazendo com que a prática agrícola faça parte da grade curricular de forma completa e ampla a exemplo da matemática fazendo parte na confecção de canteiros, quantidade de água e de semente utilizados por área dentre outras, a disciplina de ciências explicando a decomposição dos materiais orgânicos e justificando o reaproveitamento dos materiais industriais e etc. A equipe de educadores e estudantes fizeram trabalhos expositivos com lançamento de cordéis e de um jornal feitos pelos estudantes a partir da realidade local, mostra de solos, oficinas, hortas orgânicas e horta suspensa, processo de compostagem, produtos reciclados e uma palestra promovida pela Universidade Federal da Paraíba, Campus Areia, sobre reflorestamento no semiárido.

“Essa idéia do secretário de trazer essa Escola Rural aqui para Caturité é uma idéia muito legal porque a maioria da nossa população é rural que vive no campo e a gente precisa fazer com que esses agricultores passem a fazer uso racional da terra, então a proposta dessa Escola é de fazer com que os filhos de agricultores que venham pra essa escola recebam além da educação, também instruções sobre como lhe dar com a terra”, comenta a professora de história daquela escola, Maria Ednalva de Sousa, organizadora do cordel que evidencia o surgimento da Escola Rural.

“Graças á Deus nós temos como secretário o Miro dando continuidade na educação e a prefeitura apoiando todo o trabalho da educação de Caturité”, comenta o prefeito daquela cidade, José Gervásio, Zé João, ao dialogar com os ouvintes do Programa Domingo Rural em Rede e Esperança no Campo, acrescentando que Caturité com o potencial como bacia leiteira terá trabalho intensificado no processo de educação camponesa no sentido de se desenvolver a partir de suas potencialidades.

“De início foi muita surpresa pra mim porque eu nunca tinha nem planejado um jornal ou coisa desse tipo, então a gente apresenta algumas falhas, mas assim as notícias, os textos foram essenciais porque são coisas dos alunos. Se você olhar direitinho as frases, você tem aqui as notícias, algumas redações da professora Sônia, você tem logo de início aqui tudo focando sobre o rural, a mostra das atividades, as compostagens, a água no documentário que o professor Rildo faz neste trabalho aqui tentando levar um projeto pra criar peixes lá na comunidade dele e em tudo se deu destaque”, explica o professor de português, Ricardo Múcio Macedo de Araújo.

“Nós estamos aqui á convite da Secretaria de Educação, á convite dos amigos de Caturité para participar de uma atividade importantíssima não só para o município de Caturité mas para todo o Território do Cariri Oriental que é essa mostra sobre a educação rural que estão implantando nesse primeiro ano aqui em Caturité e achamos louvável a gente vir aqui vê de perto como já viemos com a comissão do território, comissão de educação do campo pra verificar de perto essas atividades e hoje essa cominânia que Caturité está fazendo é muito importante para nosso território e até para a Paraíba”, comenta o articulador do Território de Desenvolvimento Rural Sustentável do Cariri Oriental, Carlos José Duarte Pereira.

“Grandioso espaço onde o secretário Miro e o prefeito José João procuram dentro da vocação natural do município aprimorar e estabelecer, melhorar o que existe de principal hoje em Caturité que é a pecuária e a agricultura. Caturité se destaca como município que tem a maior bacia leiteira da região, que tem usinas de laticínios importantes instaladas no município que é vocacionado para a agricultura e para a pecuária e então o prefeito e o secretário inovam criando essa condição de aperfeiçoar o aluno da zona rural para que ele tenha melhor capacidade e conhecimento de como se estabelecer na zona rural”, comenta o deputado estadual Carlos Marques Dunga Júnior ao dialogar com os ouvintes de Stúdio Rural.

“Eu acho que o nosso Miro, secretário de educação aqui de Caturité, está de parabéns pela iniciativa de pensar em primeiro lugar desenvolver um trabalho rural, como é do conhecimento de todos ele logo no início criou a Escola Rural e está desenvolvendo um trabalho no município muito importante que você vê que ultimamente a idéia do rural estava sendo esquecido nestes meios educativos, isso é muito importante, eu como presidente do Conselho de Desenvolvimento Rural Sustentável e como coordenador do Fórum Territorial acho que estamos no caminho certo”, comemora o presidente do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável de Caturité, José Faustino Neto.

“Nós fizemos uma pequena exposição aqui no data-show querendo mostrar as questões de reflorestamento, as questões da agressão ao meio ambiente e a necessidade mais que de pressa da gente ganhar uma nova consciência para a recomposição das matas ciliares e valorização das nossas plantas nativas como o pereiro, aroeiras, baraúna e tantas outras que a gente quer plantar plantas exóticas de outras regiões e as nossas plantas aqui tem uma função, tem uma adaptação muito mais importante do que essas outras”, discorre o representante da UFPB Campus Areia, agrônomo Edilson Guedes da Costa.

“Pra mim está sendo um prazer muito grande, uma vez que sempre trabalhei com educação do campo e aí fui convidada pra ter essa experiência aqui na cidade de Caturité e hoje com tudo que nós já vimos aqui, vendo essa prática, vendo essa desenvoltura desses alunos a gente está tendo a certeza do dever cumprido e é com muita emoção que eu falo pra vocês com muito prazer de vê essa valorização do campo, essa valorização do Rural, o aluno aprender com as características da sua localidade, do lugar onde ele mora, onde ele reside, é o aluno ter a certeza de que ele pode continuar na zona rural que ele vai ter uma vida tão boa, tão interessante como se ele fosse morar na cidade”, justifica a coordenadora do trabalho, Luciana Balbino, que já desenvolve trabalho dessa natureza no município de Areia-PB, sua terra natal.

“Nós esperávamos isso, que os alunos aprendessem concretamente e posessem em prática, e pela mostra atingimos os objetivos de apresentar á comunidade em geral os trabalhos desenvolvidos ao longo do ano e a secretaria de educação sente-se contemplada porque viu na prática que os alunos aprenderam demonstrando seus conhecimentos através da confecção da horta orgânica, da produção literária, dos conhecimentos matemáticos, históricos, geográficos e dos próprios conhecimentos científicos através da disciplina de ciências e então acredito que esse é o papel da educação e nós estamos felizes porque estamos conseguindo educar para o trabalho”, arremata o secretário municipal de educação e cultura de Caturité, Laudemiro Lopes de Figueredo Filho, Miro, quando de seu diálogo com os ouvintes das emissoras parceiras.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top