Município de cabaceiras está com tudo pronto para iniciar ano agrícola após as chuvas

A exemplo de diversas cidades do Cariri e Sertão paraibano, o município de Cabaceiras está enfrentando limitações para o plantio das culturas de inverno 2008 em razão das fortes chuvas e dos campos agrícolas daquele município se encontrarem completamente encharcados, fazendo com que os agricultores e agricultoras do município fiquem sem arar e plantar suas terras, correndo o risco de ter um ano com perdas que ao contrário de outros anos marcados por secas, este encontra-se marcado por excesso de água no solo.

A prefeitura de Cabaceiras através da Secretaria de agricultura e meio ambiente, está executando ações em período mais apropriado para iniciar as atividades de preparação e plantio da terra junto aos agricultores familiares daquele município.

Na última quarta-feira(08), Stúdio Rural conversou com o secretário da agricultura de Cabaceiras, Carlos José Pereira Duarte, que faz um balanço da realidade e fala sobre as ações do executivo municipal na busca de fortalecer a agricultura local e as famílias de agricultores que encontram na produção rural o meio de geração de ocupação, renda e qualidade de vida. “O município de Cabaceiras passou por momentos difíceis, em razão das fortes chuvas que têm caído e a questão das enchentes no rio, mas isso a gente espera que melhore porque só há tempo bom quando tem chuva no Cariri”, argumenta o secretário daquela prefeitura, garantindo que o executivo está tentando mobilizar os agricultores para que utilizem o segundo memento com a utilização das sementes de milho e feijão precoces, distribuição feita pela Prefeitura de Cabaceiras em parceria com o governo federal.

Carlos informou que algumas famílias de agricultores perderam o plantio em razão do excesso de água no solo, mas muitas famílias que plantaram em locais adequados estão com as lavouras bem preparadas e a esperança de ter boa colheita nesta safra 2008. “A gente espera que, se Deus quiser, o inverno continue moderado pra poder a gente obter lucro esse ano”, reforça.

Carlos José informou, ainda, que quando as águas do Rio Taperoá vêm, sempre causa problemas nas partes mais baixas da cidade e do interior do município, fazendo com que o executivo, através de suas secretárias, leve assistência social aos moradores de cada localidade afetada, argumentando que todos os projetos de desenvolvimento do município continuam em andamento e execução.

Fonte : Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Compartilhe se gostou

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top