Projeto Biodiesel da Borborema busca retomada com realização de seminário em Campina Grande

Na próxima quarta-feira, dia 15 de setembro, acontecerá em Campina Grande mais um encontro para continuar as discussões sobre a produção de culturas oleaginosas destinadas ao biodiesel. Desta vez será o I Seminário de sensibilização e apoio ao programa do biodiesel, evento destinado para lideranças da região da Borborema.

style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>Diversos encontros aconteceram em cidades diversas do Brejo, Agreste e Cariri, inclusive plantios de culturas como o girassol em unidades rurais diversas com fatores de produção negativos por diversos fatores que vão de questões climáticas, baixos preços, pouco conhecimento sobre as características da cultura até a baixa qualidade da semente entregue pelos organizadores aos agricultores que interessaram fazer a experiência frustrada ao final.

style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>“Realmente a questão do girassol, por ser um programa que vem sendo implantado pela Petrobrás, ele está começando a ter um impulso diante do programa que vem sendo destinado, só que infelizmente há um desenvolvimento que ainda deixa um pouco a desejar á altura dos agricultores, por exemplo a questão do preço é um gargalo que se tem diante dos agricultores no plantio porque se vai pela variação do dólar, e isso deixa um pouco muito a desejar ao trabalho na altura dessa agricultura, quer dizer, a gente não tem como definir um preço assegurado para o produtor e isso ele acha que fica um pouco muito constrangedor pra ele, ele fica trabalhando com a questão da variação de dólar. Ora, ele não entende nem o que é dólar e jamais essa questão de variação, então a Petrobrás estabelece esse preço por essa variação e aí fica á mercê a colheita quando esse dólar tiver num valor que não puder dar cobertura ao preço do girassol”, argumenta o técnico da COONAP, Antônio Pereira, componente da cooperativa previamente estabelecida para o acompanhamento técnico e organização dos agricultores em toda a Borborema que entrariam no processo produtivo. “O ano passado ficou a produtividade no valor de R$ 0,75 a R$ 0,80 centavos que esse ano não mudará tanto o preço, ficará nesse patamar de preço”.

style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>“Eu já dei várias entrevistas a você mesmo, disse aos agricultores, às organizações que estavam trabalhando, que o programa do girassol vinha desmantelado e vinha desconectado com a cultura dos agricultores, primeiro não respeitando a dinâmica local dos agricultores, onde Zé de Sinésio, numa comunidade aqui que tem uma variedade já adaptada, produtiva de qualidade e não respeitaram, trouxeram uma variedade style=mso-spacerun: yes>  pesquisada de fora da região onde ela não se adaptou, porque ela não foi testada, não foi pesquisada aqui. Eu sabia que não ia dá certo, não deu e vai continuar não dando certo. Enquanto essas empresas não respeitarem a dinâmica e ouvir os agricultores naquilo que eles já conhecem e já vivenciam não dá certo, acabou-se e nós temos que entender isso que acabou-se o tempo de trazer pacotes tecnológicos e empurrar na goela dos agricultores. Outro fator negativo do girassol: não tem preço. O preço não é definido, é um preço flutuante, preço flutuante fica para o agronegócio, pra quem usa veneno, pra quem usa defensivos, para quem explora mão-de-obra e os agricultores familiares da nossa região aqui não querem ser explorados e também não querem explorar as suas famílias. Por isso é que o programa do girassol é dado ao fracasso devido a isso, a falta de respeitar a dinâmica local de produção”, argumenta o assessor da ONG Arribaçã, Heleno Alves de Freitas, ao dialogar com a equipe do Programa Domingo Rural.

style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>“Eu plantei girassol mas não gostei, gostei do girassol mas não gostei do preço, porque o preço eles prometeram de pagar a R$ 0,75 centavos aí quando fomos receber recebi a R$ 0,72. Recebi R$ 0,72 e aí eu falei pra o cara. Olhas, eu posso até plantar o girassol: se vier o preço certo de R$ 1 real arriba(acima), agora de R$ 1 real abaixo eu não planto mais não”, explica o agricultor Amaral, residente e produtor rural familiar no Assentamento Queimadas, município de Remígio, Curimataú paraibano.

style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>“O que eu achei foi que eles estavam usando o agricultor como experiência e essa experiência não deu certo e aí está a assistência técnica trazendo muitas esperanças para o agricultor, mas eu acho que está faltando muita conversa para que possa convencer o agricultor, porque o ano passado do que foi plantado a produção foi muito fraca e deixou muitos agricultores desanimados”, explica Antônio Luis dos Santos, Antônio da Pia, residente na comunidade Pia, município de Remígio.

style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>O evento acontecerá na próxima quarta-feira, dia 15 de setembro, no auditório da Embrapa e o convite está sendo feito pelo articulador do Pólo do Biodiesel do Território da Borborema, Nilson Almeida, que espera contar com a participação de representações da Emater de cidades do Compartimento da Borborema, Delegacia Federal do MDA – PB, Coordenação da Petrobras bicombustíveis , coordenação de Bicombustível do MDA/SAF e Secretaria da Agricultura e Pesca do Estado da Paraíba – SEDAP dentre outras. Trata-se de um projeto denominado de Projeto Pólos do Biodiesel do Nordeste em Convênio com o Ministério de Desenvolvimento Agrário – SAF/Obra Kolping do Brasil.

style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>Programa
style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>8:00 style=mso-spacerun: yes>  Abertura
style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>8:30 style=mso-spacerun: yes>  Palestra sobre o Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (Stephan Gortz – MDA/SAF)
style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>9:00 Painel sobre a realidade do Pólo de Biodiesel (Video e expositores)
style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>10:00 Coffee Break
style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>10:20 Palestra sobre o Programa Estadual de Biodiesel e apoios – (SEDAP)
style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>11:00 Palestra sobre a atuação da Petrobrás Biocombustivel no Estado (PBIO)
style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>11:30 Discussão sobre o futuro do Pólo de Biodiesel
style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>12:30 Encaminhamentos
style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>13:00 Encerramento e Almoço.

style=FONT-FAMILY: 10pt FONT-SIZE: ?Arial?,?sans-serif?;>Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Compartilhe se gostou

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top