Queimadas antecipa chegada de Cochonilha e realiza seminário sobre a praga e alternativas para pecuária

Mesmo sem a constatação da chegada da Cochonilha do Carmim, Queimadas realizou importante seminário para discutir o mal que a praga tem causado aos pecuaristas de diversos municípios paraibanos, discutir o perigo da praga entrar, se instalar e provocar estragos nos palmais de todo aquele município e ao mesmo tempo discutir ações e alternativas conjuntas a serem desenvolvidas num processo de convivência.

O seminário foi o terceiro grande evento acontecido naquela região e aconteceu no dia 26 de fevereiro na casa de shows Blitz contando com pecuaristas, extensionistas, pesquisadores, secretários de agricultura de municípios diversos do Cariri e Agreste, prefeitos dentre outras representações interessadas na busca de alternativas de convivência com a praga e processo de fortalecimento da pecuária consorciada com a agricultura.

“Primeiramente a gente vai entregar essas 30 mil raquetes de terça-feira pra quarta-feira e o segundo passo vai ser o projeto que estamos fazendo de distribuição de 200 mil raquetes para trabalhar com os produtores do município”, explica o secretário de agricultura daquele município, Jair da Silva Ramos.

“Cada um tem que fazer sua parte. O governo municipal está fazendo sua parte, o secretário de agricultura Jair está fazendo sua parte, o cidadão, o sindicato de trabalhadores rurais, o produtor rural e cada um tem que fazer sua parte”, explica o secretário de infra-estrutura daquele município, José de Anchieta Pachu Filho.

“Pois é, o Cariri Oriental está puxando essa luta com muita intensidade e podemos dizer que graças á Deus está começando a crescer porque já aconteceu encontro em Soledade, já aconteceu em Barra de Santana no dia 10 de fevereiro, hoje aqui em Queimadas, na próxima segunda-feira será lá em São João do Cariri, já tem companheiros aqui de outros municípios como Gado Bravo que está interessado em avançar nessa história e eu acredito que agora vai crescer essa onda de enfrentamento da Cochonilha do Carmim, trazendo todos os segmentos”, comenta o vice-prefeito de Soledade, José Bento Leite, ao dialogar com os ouvintes do Programa Domingo Rural do dia 06 de março.

“Acho que hoje pra qualquer produtor rural, principalmente na produção de leite, tem que se preocupar com a cochonilha que é uma realidade, mais um problema pra ser enfrentado pelo produtor que sabe que não é fácil e que tem mais esse desafio que é passar a viver com a cochonilha”, explica o prefeito de Queimadas, José Carlos de Sousa Rego, reforçando que a prefeitura buscará alternativas parceiras para enfrentar o problema e criar condições que permita aos produtores continuarem trabalhando a diversidade de cultivos e culturas naquele município.

“Merece os parabéns o evento de Queimadas, aqui tivemos um número muito grande de produtores graças a esse trabalho desenvolvido pela secretaria de agricultura junto com o prefeito e é isso que nós queremos é o envolvimento da cooperativo junto com as parcerias pra que a gente conscientize todos os municípios de que a guerra está só começando e ele é grande, gigantesca e num evento como esse daqui vai sair muita gente consciente do que se deve ser feito e está com muita informação pra levar também para aquele que está aqui presente e divulgar isso pra que a gente conclua o trabalho e vença essa guerra“, exemplifica o diretor presidente da Coapecal, Cooperativa Agropecuária do Cariri, Marcelino Trovão de Melo, reafirmando que sem palma fica difícil desenvolver a pecuária nos municípios do semiárido e sem pecuária acontecerá o desabastecimento do mercado do leite e com isso a falta da ocupação e renda no meio rural será uma realidade negativa para a economia de todos os municípios.

“A luta continua, nós estamos na luta, esse é o terceiro evento que nós estamos participando, esse evento aqui de Queimadas sai após o evento de Barra de Santana e a gente vai provocar outros eventos para chamar a atenção de todos os municípios, dos órgãos dos poderes públicos, dos órgãos ligados a agricultura familiar principalmente, pra gente não parar por aqui porque isso é uma luta que tem que continuar”, relata o presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Barra de Santana, Paulo Medeiros Barreto.

“Nessas cidades que ainda não fez esse seminário e palestras é bom fazer, mostrar aos agricultores de cada região e tirar dúvidas porque muitos produtores de cidades da região não vieram pra Barra de Santana, não vieram pra Queimadas, mas essas outras cidades têm que fazer essas palestras para mostrar e partir para a realidade e a partir dessa realidade partir pra cima mesmo na busca de alternativas”, comenta o deputo estadual por aquela região, Paulo Rogério de Sousa Rego, Doda de Tião, assegurando que o mandato parlamentar exercido por ele estará na busca de alternativas juntos aos governos e órgãos de competência.

Fonte : Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Compartilhe se gostou

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top