Dia de Campo do gergelim no Brejo paraibano gera resultados e é destaque no Domingo Rural e Esperança no Campo

Os resultados, as práticas e compartilhamentos das pesquisas trabalhadas pela Embrapa Algodão e parceiras com a cultura do gergelim na Fazenda da Empaer, no município de Alagoinha, Brejo paraibano, foram colocadas em discussões durante um dia de campo no último dia 02 e foram destaques no Programa Esperança no Campo e Programa Domingo Rural do último final de semana.

“É um evento que trata de ajustar o sistema de produção da cultura do gergelim, é um projeto que faz parte do projeto de melhoramento do sistema de produção do gergelim, esse dia de campo teve um caráter muito especial que foi discutir com agricultores e técnicos uma avaliação participativa de uma experimentação que envolve densidade de plantio e população de plantas com a finalidade de encontrarmos o melhor arranjo para uma cultivar que está sendo trabalhada de gergelim chamada Morena.  Num primeiro momento deu-se uma discussão com os presentes relativo aos gargalos da cultura do gergelim, as tecnologias existentes, os conhecimentos existentes e como eles chegam na ponta para os agricultores familiares e aí teve uma boa discussão neste sentido e em seguida fomos a campo pra avaliar essa experimentação que envolve espaçamento e densidade populacional na linha de plantio”, explica o pesquisador da Embrapa, Marenilson Batista da Silva, ao iniciar amplo diálogo com nosso público ouvinte.

Batista garante que o evento cumpriu meta de número de participantes e compartilhamentos de conhecimentos e tecnologias. “Nós tivemos representações dessa região de Sapé, tivemos representações do Cariri paraibano, tivemos representações do Brejo, Agreste fazendo toda uma discussão, além de técnicos ligados ao Procase, ligados a Secretaria da Agricultura Familiar, da Empaer, ou seja, foi um dia de campo bem representativo com uma discussão muito forte no sentido de encontrar saídas, nós apresentamos algumas tecnologias, mas também nós queríamos construir com essas pessoas essas novas possibilidades de adaptações, de validações de tecnologias que ia desde o plantio, desbaste e até a parte do beneficiamento”, explica Batista. Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top