Reunião de Análise e Previsão Climática anuncia chuvas intensas em Pernambuco

Nos próximos três meses, os totais pluviométricos no Estado poderão chegar à categoria normal e acima da média histórica com alta variabilidade temporal e espacial na distribuição dos índices. Também a possibilidade de ocorrência de chuvas intensas neste período.

Segundo o assessor do Itep, Instituto de Tecnologia de Pernambuco, Robério Coutinho, a previsão foi realizada na reunião de Análise e Previsão Climáticas para o Nordeste do Brasil na Fundação Cearense de Meteorologia (Funcene), na última sexta-feira (23), encontro que reuniu técnicos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais; centros estaduais de meteorologia do Brasil e pesquisadores americanos.

Robério informou que a coordenadora do Laboratório de Meteorologia (Lamepe) do Instituto deTecnologia do Estado (Itep) é da opinião de que o atual prognóstico deverá ser atualizado em fevereiro, devido à alta variabilidade das anomalias de Temperatura da Superfície do Mar (TSM) sobre o oceano Atlântico Tropical, nos próximos meses, afirma a coordenadora do Laboratório de Meteorologia (Lamepe) do Instituto de Tecnologia do Estado (Itep/OS), Francis Lacerda. Ela ressalta que embora haja o monitoramento contínuo das condições oceânicas e atmosféricas, o acompanhamento das previsões de tempo devem ser realizadas, diariamente no Lamepe.

Aquele assessor informou também que o mês de dezembro de 2008, em Pernambuco, foi caracterizado pela alta variabilidade temporal e espacial na distribuição pluviométrica. “Francis informa que pancadas de chuvas expressivas foram observadas em praticamente, todas as microrregiões do Sertão pernambucano”, relata, acrescentando que no Agreste, os totais acumulados foram predominantemente abaixo da média histórica e destaca que áreas isoladas nas microrregiões do Vale do Ipojuca e Garanhuns apresentaram índices pluviométricos significativos, exemplificando, Belo Jardim (83,0mm), Brejão (50,0mm) e Garanhuns (43,0mm).

Na Zona da Mata, informa, os totais pluviométricos acumulados ficaram abaixo da média histórica com desvios negativos que oscilaram em torno de 30% a 85%.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

Compartilhe se gostou

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados como (obrigatório) devem ser preenchidos.

Newsletter

Através da nossa newsletter você ficar informado, o informativo do estudo rural já conta com mais de 20 mil inscritos, faça parte você também.

Back to Top